EMPRESTA NA MÍDIA: Mercado de franquias cresce mesmo em períodos de recessão econômica

Crescimento do setor e aumento da concorrência: será que o franchising vai saturar?

Em meio a última crise vivida pelos brasileiros, o franchising se tornou um dos principais aliados da economia do país. Devido ao momento atual relacionado as consequências do surto mundial da Covid-19, este mercado torna-se novamente uma esperança para o meio econômico. Porém, se antes já existiam diversos concorrentes, o que esperar do futuro próximo?

Segundo dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF), o faturamento de 2019 cresceu 6,8% em relação ao ano anterior. O relatório divulgado indica que o “Setor demonstra consistência e estabilidade mesmo diante de crescimento econômico moderado”. Esse é apenas um reflexo do crescimento que já vinha sendo observado nos últimos anos.

O gerente de rede de franquias da Empresta Bem Melhor, Douglas Andrade, comenta que as facilidades do franchising é o que sempre chamou atenção. “Imagine abrir o próprio negócio sem precisar se preocupar com todo o processo de construção. Ter o nome, a marca e os principais processos burocráticos já estabelecidos, além de suporte especializado e diversas outras vantagens. Basicamente, é isso que mais chama atenção para este meio”.

Concorrência

Como é de se esperar, cada dia mais pessoas optam pelo mercado de franquias e o medo de quem já está nesse meio é se o mercado vai sofrer com a temida saturação. “Neste momento, na realidade, este não precisa ser um medo tão grande. Existe espaço e milhares de opções, além de locais alternativos que não se resume apenas as grandes cidades, por exemplo”.

Faça diferente

Apesar de existirem diversas oportunidades, apostar em diferenciais nunca é demais. “Para isso, é necessária uma boa pesquisa que se aprofunde no público, na concorrência, no local e demais fatores estratégicos”, afirma Douglas Andrade.

Um dos pontos especiais refere-se a gestão eficaz. “É fundamental para o sucesso do negócio. Acompanhar as métricas do segmento, buscar mais conhecimento e aprendizado e entender o conceito do negócio são alguns dos pontos de partida para alcançar destaque em meio a outras franqueadas”.

Inovação é a palavra chave para se sobressair. “É preciso ter a preocupação de sempre estabelecer estratégias diferenciadas, sem cair no comodismo. Buscar alternativas pode ajudar a chamar mais a atenção do público mediante o plano de negócio já preestabelecido”, diz.

Longe de centros urbanos

Quando se fala em franquias, muita gente já pensa logo em cidade grande. Porém, outra vantagem do setor é que ele não se resume apenas a isso. “Um dos motivos pelo qual dificilmente iremos cair na saturação, é que as franquias podem prosperar tanto em cidades metropolitanas como em cidades menores”.

Empresta Bem Melhor

Especializada em soluções financeiras, a Empresta Bem Melhor é uma rede de franquias presente em 8 estados, além do Distrito Federal. Em seu diferencial destaca-se o suporte oferecido a todos os franqueados para se destacarem e criarem estratégias eficazes de expansão. Atuando na região metropolitana e no interior, a Empresta Bem Melhor mantém a possibilidade dos parceiros crescerem e movimentarem a economia local de suas cidades.

Link da reportagem: http://folharegional.jorweb.com.br/noticias/2020/04/mercado-de-franquias-cresce-mesmo-em-periodos-de-recessao-economica/

EMPRESTA NA MÍDIA: FRANQUIAS- MERCADO É OPÇÃO PARA MULHERES CONQUISTAREM INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA

Mulheres já são responsáveis por quase metade dos negócios do setor

O mercado de franquias continua em expansão nos últimos anos. Para se ter uma ideia, no segundo trimestre de 2019, o segmento cresceu 5,9% em relação ao mesmo período de 2018. E essa área está chamando muita atenção das mulheres, que, cada vez mais, optam pelo franchising como uma alternativa para abrir seu próprio negócio.

Hoje, de acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF), as mulheres já são responsáveis por quase metade dos negócios desse setor e, entre os fatores que contribuem para o crescimento desse número, estão algumas características comuns entre elas, como maior habilidade de se comunicar e a presença de um comportamento colaborativo dentro do ambiente de trabalho.

Oportunidade

A possibilidade de flexibilidade de horários é algo que chama atenção tanto de homens quanto de mulheres, mas elas, muitas vezes, precisam associar o trabalho a outras tarefas ainda majoritariamente comuns entre o público feminino. “É bastante comum encontrar mulheres que desejam ter independência financeira, ou que após o período de licença maternidade, enfrentam dificuldades para reingressar no mercado de trabalho. Esses são apenas alguns dos motivos que despertam nelas o interesse em abrir o próprio negócio”, declara Douglas Andrade, gerente da rede de franquias Empresta Bem Melhor.

Por que investir no franchising?

Será que abrir uma franquia realmente é a melhor opção? Esse é um questionamento que muitas empreendedoras se fazem. O fato é que iniciar um negócio do zero requer inúmeros processos. Enquanto isso, no franchising, existe toda uma rede de suporte completa oferecida pela franquia que promove maior segurança para o empreendimento. “Isso também contribui para a estabilidade do negócio, já que os resultados dependerão principalmente da aplicação assertiva da marca e gerenciamento correto”.

Escolha certa

Porém, para realmente colher bons frutos, é preciso conhecer e ter alguma afinidade com o segmento da franquia. “É comum encontrar pessoas que decidem abrir negócios de segmentos que não possuem relação nenhuma com seus interesses e isso pode comprometer os resultados e, até mesmo, a qualidade do serviço oferecido”, completou o gerente. “Estar ciente da carga horária que será demandada pelo empreendimento também é indispensável para a escolha correta. E, claro, ter conhecimento dos custos necessários para começar e manter o negócio”, finalizou.

Como fazer o fluxo de caixa da sua franquia de forma eficiente?

Controlar as finanças de seu negócio é primordial para que você tenha sucesso. Por isso, é tão importante saber quanto de dinheiro que entra e quanto sai de sua franquia. Esse controle é feito por meio do fluxo de caixa porque as movimentações ocorrem em tempos diferentes.

Desse modo, é preciso saber como organizar receita e despesa, criar planilhas e analisar os dados a serem inseridos, bem como separar as contas pessoais daquelas da empresa. Feito isso, o gestor identificará quanto de recursos financeiros tem disponível, em que foram investidos, entre outras informações.

O fluxo de caixa é importante para qualquer tamanho de empresa. Pensando nisso, fizemos este artigo com o intuito de ensinar como fazê-lo de maneira eficiente. Pronto para aprender? Boa leitura!

O que é o fluxo de caixa? 

O fluxo de caixa é uma ferramenta em que o empreendedor insere os dados financeiros da empresa diariamente, semanalmente ou mensalmente. Trata-se de um documento financeiro que compõe a contabilidade da franquia seguindo cinco pontos relevantes:

  • saldo inicial: dinheiro disponível em caixa e nas contas bancárias;
  • entradas de caixa: valores das vendas realizadas à vista e outros pagamentos recebidos no dia;
  • saídas de caixa: pagamentos realizados pela empresa naquele dia;
  • saldo operacional: diferença entre as entradas e saídas do caixa;
  • saldo final de caixa: somatória do saldo inicial e do operacional.

Esse procedimento gerencial auxilia no registro das transações para pagamentos e recebimentos de curto, médio e longo prazo. Assim, é possível estabelecer previsões para um planejamento financeiro e uma melhor gestão. O indicado é que sejam levantadas com antecedência as despesas, pois dinheiro na conta não necessariamente significa que esteja sobrando.

É preciso avaliar se os pagamentos dos clientes podem quitar as dívidas com os fornecedores no próximo mês. Por isso, o planejamento deve ser real para que haja um acompanhamento da evolução das receitas, variação das vendas, prazos de pagamentos ou parcelamentos a serem recebidos.

Por que esse procedimento é tão importante? 

Se houver erros ou descontrole na previsão de pagamentos e recebimentos, isso pode acarretar falta de dinheiro no caixa para arcar com as despesas do negócio, como salários dos funcionários, aluguel, água, energia, internet, entre outros.

O fluxo de caixa é relevante porque tem o potencial de promover um controle maior das entradas e saídas de dinheiro, visando à saúde financeira de sua empresa. Ao obterem os números reais, os gestores poderão tomar decisões sobre o remanejamento de valores entre setores da empresa que estejam precisando, impedir atrasos nos pagamentos dos impostos, fazer algum investimento, contratar novos funcionários etc.

Isso tudo ajuda a gerenciar os custos de maneira mais eficiente para que a empresa tenha uma visão estratégica de crescimento ou mesmo consiga reverter alguma situação negativa em tempo hábil.

No entanto, para alcançar a excelência nessa ferramenta, utilize um software integrado de gestão que mostre as informações de todos os departamentos, como compras e vendas, produção e financeiro, para saber a movimentação financeira de cada um. Afinal, todas as áreas precisam conhecer suas receitas, despesas e investimentos.

Inclusive, elas devem ter prazos diários para que os dados sejam inseridos no fluxo de caixa. Desse modo, o setor financeiro se torna uma área central, visto que terá uma visão holística da organização. Com os valores em tempo real, há a possibilidade de fazer um planejamento estratégico para o negócio.

Por isso, fazer uma boa gestão financeira começa com o fluxo de caixa, pois, desse modo, as decisões serão baseadas em dados para que outras atividades possam ser desenvolvidas. Esse documento contábil, às vezes, é subestimado pelas empresas, já que os gestores acreditam cumpre apenas deveres fiscais. No entanto, ele vai muito além disso, como pode-se verificar.

Como fazer o fluxo de caixa da sua franquia? 

Fazer um fluxo de caixa não é difícil: basta seguir as orientações abaixo, manter a organização e a periodicidade para que se tenha acesso ao saldo final diário. Veja como colocar em prática!

Saídas 

Na coluna de saídas, separe fornecedores, despesas e outras categorias. Assim, será possível preencher os valores gastos com cada um deles e analisá-los individualmente. Nas despesas, insira os custos de telefone, correio, internet, energia e outros valores administrativos. Já nas outras saídas, acrescente a amortização de empréstimos, pagamentos de impostos e investimentos que foram feitos.

Entradas 

Na parte das entradas, especifique tudo que receberá de suas vendas ou prestações pagas pelos clientes naquele dia. É muito importante que isso seja feito diariamente.

Resultado do período 

Para obter o resultado do que entrou e saiu em determinado período, some os valores da entrada e subtraia os de saída. O que sobrar é o rendimento positivo ou negativo daquela data.

Análises gráficas 

É importante fazer gráficos do fluxo de caixa porque eles permitem uma visualização geral do que está certo ou não. Diante disto, há alguns esboços que são essenciais, como:

  • análise financeira mensal — mostrar as entradas, saídas e saldo ao longo do ano vigente;
  • receitas separadas por tipo — identificar as mais relevantes e as menos importantes;
  • despesas também separadas por tipo — observar as oscilações mensais e fazer cortes necessários;
  • contas a pagar e a receber — visando ao planejamento do fluxo de caixa;
  • necessidade de caixa — ao saldo inicial do período são adicionadas as entradas e subtraídas as saídas;
  • saldo acumulado — quando bem-feito, retrata a soma do caixa, bancos, aplicações etc.

Dessa forma, analisará o movimento do fluxo de caixa de maneira que saberá se precisa de dinheiro para cobrir suas despesas, se a empresa deu lucro e real valor da Demonstração de Resultado de Exercício (DRE).

O fluxo de caixa é indispensável a qualquer negócio, visto que com ele poderá verificar se sua franquia é sustentável financeiramente e quais os pontos de melhoria relacionados aos gastos. Neste artigo, mostramos o conceito, por que ele é tão importante e como fazê-lo de modo prático. Independentemente se seu controle é realizado em planilha ou software, deve-se ter constância nos registros.

Já que está interessado no assunto de finanças, para alavancar sua franquia, procure saber mais sobre como administrar uma empresa em crescimento e tenha muito sucesso.

Como separar contas pessoais da empresa na prática?

Você sabe como separar as contas pessoais das finanças da empresa? Muitos empreendedores de micro, pequenos e médios negócios misturam as contas de casa com as da empresa, ocasionando complicações financeiras e levando até as organizações à falência. 

Geralmente, os empresários trabalham com recursos limitados e acham que, associando as finanças pessoais às empresariais, estão simplificando a administração. Na realidade, estão comprometendo o futuro das empresas.

Então, se você tem perfil de empreendedor, é preciso saber fazer esta divisão para que possa ter margem de lucratividade, identificar os entraves financeiros e realizar os ajustes necessários. 

Neste artigo mostraremos dicas práticas, que fazem a diferença para o seu negócio! Confira! 

Qual a importância de separar as contas pessoais das contas da empresa? 

Separar as despesas pessoais daquelas do negócio é relevante para não prejudicar os cofres da organização. Pense, por exemplo, que em determinado mês você retira do caixa da empresa dinheiro para pagar o supermercado, compras no shopping, a água e luz de sua casa.

Como irá pagar os salários dos funcionários, fornecedores, comprar materiais ou demais despesas? Estes valores farão falta no caixa e a empresa começará a entrar em dívidas. Assim, os empreendedores terão dificuldades de saber qual o orçamento real, os custos que podem ser reduzidos, quais investimentos que precisam ser feitos e os recursos disponíveis para eles.

Muitos gestores cometem esta falha e é preciso parar com essa atitude o quanto antes. Não é porque a empresa deu lucro que o seu dono pode fazer retiradas indiscriminadas. 

Como separar contas pessoais da empresa na prática? 

É preciso saber administrar um negócio e manter o controle financeiro. É certo que não é uma tarefa fácil. Então, imagina se as finanças pessoais estão misturadas neste controle? Por isso, siga as dicas abaixo para que o não entre em colapso. 

Tenha contas separadas 

Uma dica básica e relevante é ter uma conta bancária jurídica e outra pessoal, pois o custo de uma conta exclusiva é um investimento para que tanto você quanto o seu negócio mantenham uma boa saúde financeira. Isso facilita a administração de maneira individual para ambas. 

Determine um salário para si

Um erro comum é retirar dinheiro do caixa da empresa à medida que vai precisando para suas necessidades particulares. O lucro da empresa estará indo para o seu bolso, e não para os investimentos. Isso prejudicará o crescimento do negócio. 

Para que isto não ocorra, estabeleça um pró-labore para você e seus sócios, se houver, receberem mensalmente. Este será o seu salário. Assim, avalie quanto precisa para viver e quanto a empresa poderá disponibilizar, sem prejudicá-la. 

Evite levar despesas pessoais para a empresa 

Nunca pague uma fatura da sua casa com o dinheiro, cheque ou cartão da empresa e vice-versa, são atitudes pequenas que evitam problemas maiores. Por exemplo, você está em seu escritório e lembra que precisa pagar a conta da internet. Sem pensar, pede para a secretária pegar o valor no caixa e ir na lotérica. 

Depois, na correria do dia a dia, esquece de fazer a transferência do valor para a conta jurídica. Fazendo isso várias vezes, perceberá que entrou no vermelho. E como faria para cobrir o prejuízo e controlar a contabilidade?

Faça um planejamento financeiro empresarial 

Tenha uma visão estratégica, criando projeções de receitas e despesas mensais e anuais, reserva de capital de giro, de investimentos, provisões de férias e de décimo terceiro de seus colaboradores, por meio de planilhas ou de software de gestão empresarial. Afinal, instabilidade e imprevistos financeiros acontecem no mercado e, sendo um empreendedor experiente, é preciso ter reservas para garantir a vida do seu negócio. 

Resumindo, eduque-se e transfira o seu conhecimento para os sócios, se precisar. Porque uma empresa somente cresce se houver excelência na gestão e boas práticas financeiras, como separar contas pessoais da empresa, controle do que entra e sai e um planejamento orçamentário. 

Já que chegou até aqui, aproveite e aprenda a fazer um planejamento financeiro empresarial visando o sucesso para a sua empresa. Não perca essa chance! 

Custos fixos e variáveis: o que são e como calculá-los?

Você sabia que o Brasil tem 5,3 milhões de empresas inadimplentes atualmente? Esse dado é divulgado pelo Serasa Experian e aponta que os empreendedores estão com problemas sérios de administração de caixa, segundo os economistas.

O primeiro passo para criar um planejamento financeiro e ter uma gestão saudável está em compreender a administração dos custos do negócio. Depois desse entendimento, fica mais fácil organizar o orçamento e investir de maneira estratégica para o negócio crescer.

Neste artigo, você vai descobrir o que são os custos fixos e variáveis, quais são as diferenças entre eles e como calculá-los. Confira!

O que são custos fixos?

Os custos fixos são aqueles em que seu valor é constante e independente do aumento ou diminuição da capacidade produtiva. Eles têm valores fixos e estão relacionados à estrutura do negócio e manutenção do ambiente. Alguns exemplos:

  • aluguel;
  • limpeza e conservação;
  • salários administrativos;
  • internet fixa.

O que são custos variáveis?

Já os custos variáveis são o oposto dos fixos e estão diretamente relacionados à produção do negócio. Isso significa que podem sofrer alterações no valor à medida que as vendas aumentam, ou seja, quanto maior forem as propostas fechadas, maior também serão esses gastos. Por exemplo:

  • comissões de vendedores;
  • conta de telefone comercial;
  • impostos sobre o rendimento da empresa;
  • materiais relacionados à venda.

Essa diferenciação é de suma importância para calcular o valor da operação do seu negócio. Assim, você saberá para onde os gastos são direcionados a fim de compor o preço da venda.

Como diferenciar custos fixos e variáveis?

A classificação de cada custo varia conforme a atividade do negócio, portanto, a melhor maneira de identificar isso está na resposta para a seguinte pergunta: “quais são os gastos que sobem proporcionalmente ao número de vendas?

Por exemplo, em uma agência financeira, os gastos com materiais de escritório podem ser interpretados como custo variável, pois, quanto maior o número de clientes, maior será a quantidade de impressões, toners e carnês para atender à demanda. Isso significa que a conta de papelaria vai aumentar.

Quando os custos são fixos e variáveis ao mesmo tempo

Também pode acontecer de um custo ser dividido entre fixo e variável, sendo denominado custo híbrido. Isso ocorre quando apenas uma parte da conta tem relação com as vendas do negócio.

Em alguns casos, os gastos com água e energia elétrica são considerados híbridos, porque, ainda que uma parte seja utilizada para manter a estrutura funcionando, esses valores podem sofrer influência à medida que a capacidade produtiva aumenta. 

Como calcular cada um deles?

Agora que você já sabe a diferença dos custos fixos e variáveis, calculá-los é muito simples. Basta fazer um somatório de todos os itens conforme a sua categoria. Confira o exemplo abaixo.

Custos fixos:

  • aluguel: R$ 2.000;
  • limpeza: R$ 500;
  • licenças de softwares: R$ 250;
  • contabilidade: R$ 1.000.

Custos variáveis:

  • publicidade e propaganda: R$1.000;
  • comissões: R$ 3.000
  • conta de celular: R$ 1.200;
  • impostos sobre vendas: R$ 3.500.

Segundo nosso exemplo, o subtotal dos custos fixos é de R$3.750, enquanto os variáveis são de R$8.700, gerando um custo total de R$12.450. Porém, com essa diferenciação, você terá informações reais de onde estão alocados os seus gastos.

Saber distinguir os custos fixos e variáveis do seu negócio requer uma visão estratégica importante para compreender a saúde financeira da empresa. Dessa maneira, você conseguirá elaborar seu orçamento para trabalhar a contenção de despesas e lidar com as instabilidades no mercado.

Além disso, ter um registro disciplinado desses gastos vai ajudar no estabelecimento de metas estratégicas ao se preparar para os cenários futuros.

Percebe a importância de saber esses dados para manter a rentabilidade do seu negócio? Então aproveite para se cadastrar na nossa newsletter e receber outros conteúdos como este em seu e-mail.

Como organizar sua vida financeira e ter uma reserva?

Ter atitude é imprescindível para você aprender como organizar sua vida financeira, principalmente quando se encontrar atolado em dívidas. Conseguir equilibrar a situação geralmente é considerado por nós algo inalcançável, mas que é possível. 

Diversos especialistas ensinam passos para sair das dívidas e voltar a ter uma vida financeira saudável, e foi pensando nisso que selecionamos algumas dicas importantes para que você possa seguir e começar a realizar seus sonhos de consumo. 

Uma coisa é certa: você precisará modificar hábitos ruins que estão levando seu dinheiro para o ralo. Não é uma tarefa fácil, mas, com força de vontade, sobrará dinheiro até para fazer investimentos. Boa leitura!

Controle os gastos 

Primeiramente, você necessita de uma planilha de controle de gastos, pode ser no Excel, um app no celular, enfim, o importante é saber com o que o seu dinheiro está sendo gasto. Tendo uma visão clara disso, você conseguirá definir o que são gastos bons (financiamento de um apartamento, por exemplo) e ruins (como as dívidas com cartão de crédito). 

Anote todas as suas despesas, desde um simples café na padaria até a conta de luz. Só assim saberá o que poderá ser cortado nos meses seguintes. 

Tome cuidados com os gastos supérfluos 

Os gastos supérfluos são aqueles que você faz sem perceber. Lembra-se daquele café na padaria? Assinatura de TV, sites, podcasts e demais pacotes que você nem usa por falta de tempo se enquadram nessa categoria. Esses valores, quando somados, formam um valor expressivo que pode ser eliminado. 

Quite suas dívidas 

As dívidas se acumularam e você está inadimplente? Faça um levantamento de todas elas, inclusive com as taxas de juros que estão sendo cobradas. Comece o pagamento pelas que têm índices mais altos e tente negociar os valores.

É preciso saber que, embora pareça difícil, priorizar as que devem ser pagas primeiro é a melhor chance de sair desse quadro.

Diminua o número de cartões de créditos 

Ter muitos cartões de crédito é endividamento na certa devido à complexidade do controle financeiro. Sem você perceber poderá fazer compras em vários cartões gastando além da conta, sem falar em pagar as tarifas de crédito rotativo e anuidade. Desta forma, prefira um único cartão.

Estude sobre educação financeira 

Buscar conhecimento quanto a educação financeira é essencial durante esse processo para que você consiga se organizar da maneira correta. Existem muitas informações sobre o assunto na internet, mas se preferir livros, há três bem cotados no mercado como: 

Mantenha a disciplina 

Não sabote o seu plano e mantenha a disciplina gastando o menos possível. Tome cuidado para não sair de suas metas de quitar suas dívidas e lembre-se de que esse é o melhor caminho para o sucesso financeiro.

Tenha metas de investimento 

É sempre importante ter uma reserva financeira, pois imprevistos acontecem.  

Ao cortar os gastos supérfluos, sobrará dinheiro que poderá ser usado para investimentos, como uma poupança ou outro tipo de aplicação. Acompanhe o rendimento de seus ativos semanalmente por meio do extrato bancário. Isso incentivará você a poupar mais e gastar menos, mantendo o equilíbrio das suas finanças. 

Entendeu que não é impossível aprender como organizar sua vida financeira e, ainda, conseguir uma reserva para investir e ter mais tranquilidade? Conhecimento total da sua situação e mudanças de hábitos farão toda a diferença para controlar seu dinheiro. 

Saiba mais sobre maneiras de organizar a vida financeira nos seguindo pelo TwitterFacebookInstagram e YouTube. 

5 opções de livros para quem quer abrir uma empresa

Conhecimento é a base fundamental para qualquer profissão, inclusive para quem quer ter um negócio bem-sucedido. Em uma era em que o mercado está em constante mudança, ser um eterno estudante é ganhar vantagens sobre os concorrentes. Por isso, ler um livro sobre como abrir uma empresa é essencial.

Ter boas leituras é ampliar os horizontes do seu ponto de vista e sair do senso comum, principalmente nos campos que despertam mais o seu interesse. Nas áreas de negócio e empreendedorismo, há histórias de pessoas que obtiveram sucesso e viraram referências.

Longe de ser uma receita de bolo, os livros sobre o tema trazem insights e ensinamentos para reduzir os riscos de empreender. Continue a leitura e saiba mais sobre os principais materiais sobre o tema.

1. Sonho Grande 

O livro Sonho Grande, da autora Cristiane Corrêa, descreve a fórmula de gestão que Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira, proprietários da Budweiser, Burger King e Heinz, respectivamente, usaram para adquirir grandes empresas americanas. 

Longe dos holofotes, os três sócios têm uma vida empresarial marcada pelo alto desempenho — regra que é seguida pelos funcionários —, um planejamento visando a simplicidade e redução de custos e a valorização por meritocracia de seus colaboradores.

Sonho Grande explana a trajetória dos três sócios, partindo da década de 70 até os dias atuais, e como se tornaram os mais ricos do Brasil e do mundo.

2. The Everything Store

The Everything Store, contada pelo jornalista Brad Stone, relata a história da Amazon por meio de seu fundador Jeff Bezos. Além de uma loja com títulos ilimitados de livros, Bezos queria mais: transformar a Amazon em uma loja que vendesse tudo. 

Visionário, com sua família ele transformou seu negócio na loja mais conhecida da internet, mudando a forma de consumir livros e outras utilidades.

3. O empreendedor Viável – Uma mentoria para empresas na era da cultura startup

O jornalista Carlos Matos e o publicitário André Telles contam sobre as histórias de sucesso e fracasso de algumas empresas. Os escritores abordam as variáveis que levam uma startup ao sucesso. Começando pela escolha da equipe até a segurança na apresentação aos investidores. Inclusive, com ajustes de mentoria (tutoria), pivotagem (girar em outra direção testando novas possibilidades, mas sem sair de sua base) e mudanças estruturais garantindo um futuro de oportunidades.

4. O lado difícil das situações difíceis

Empreendedor respeitado do Vale do Silício, Ben Horowitz escreveu o livro The hard thing about hard things (O lado difícil das situações difíceis), relatando como ele fundou, dirigiu, vendeu, comprou, geriu e investiu em diversas companhias de tecnologia.

Sua história traz conselhos e sabedorias práticas e didáticas para que os empreendedores aprendam a solucionar os problemas mais difíceis o que as faculdades não ensinam, principalmente na área de administração.

5. Vendas em tempos de crise

Ter uma equipe motivada e bem treinada faz a diferença em um momento de crise econômica, mudança das necessidades dos consumidores entre outros. Assim, o autor Tom Hopkins, no livro Vendas em tempos de crise, demonstra as formas que a empresa poderá se destacar perante a concorrência, sempre obtendo lucros.

Uma equipe de vendas sintonizada saberá atravessar as adversidades, independentemente do tipo de negócio. Tom compartilha um plano usado por ele para sobreviver a esses momentos, alcançando a prosperidade.

Esperamos que essas 5 dicas de livros sobre empreendedorismo e como abrir uma empresa ajudem você na abertura e na consolidação de seu negócio. Afinal, adquirir conhecimento é um passo relevante para obter sucesso como empreendedor.

Gostou deste conteúdo? Então compartilhe nas suas redes sociais e ajude outras pessoas!

Planos para 2018

Planos para 2018: abrir uma franquia Empresta

Ano novo, planos novos, novas oportunidades! É comum fazermos um balanço de tudo que foi feito no ano que está chegando ao fim e estabelecer novas metas para o próximo ano. Ter uma condição financeira melhor é uma das metas mais comuns. Mas, para muitos, o problema está em encontrar a melhor estratégia para alcançar este objetivo.

Se você pensa assim também, empreender pode ser a sua solução. É a sua chance de começar o ano com novos projetos e investir na Franquia Empresta. Infelizmente, muitos não conseguem se tornar empreendedores porque têm medo, não têm informações suficientes ou não encontram o apoio necessário. Afinal, saber como funciona o mundo das franquias e ter ajuda profissional para começar um negócio é essencial.

Ao abrir uma franquia você tem mais vantagens e segurança do que abrir um negócio do zero. A Franquia Empresta por exemplo, já possui planos estratégicos prontos e um nome forte no mercado. Ela conta também com influentes parcerias que facilitam as negociações.

Essas parcerias que a Franquia Empresta tem fazem toda a diferença para o seu negócio. Além de terem um nome forte e bem reconhecido no mercado, os parceiros da Franquia Empresta transmitem mais credibilidade para os seus clientes.

A Franquia Empresta tem crescido e é uma excelente oportunidade para você investir. Um de seus diferenciais é oferecer ao franqueado um acompanhamento em todas as etapas de abertura de uma unidade. Essa segurança de ter especialistas auxiliando, desde o início, a escolher o melhor local, ensinando as melhores estratégias de mercado e dando todo o suporte que você precisa, são fundamentais para garantir o sucesso da sua franquia.

Aproveite essa oportunidade de começar o ano com novas perspectivas de sucesso e invista em uma franquia Empresta. Venda algo que nunca sai de moda: dinheiro. Se você se interessou e quer saber mais, entre em contato conosco que explicaremos como você pode se tornar um empreendedor da Franquia Empresta.