Break even point: qual é sua importância e como calcular?

Para obter o sucesso em qualquer negócio, faz-se necessário tomar atitudes tanto operacionais quanto administrativas. Entre as medidas que devem ser adotadas pelos gestores conscientes, está o cálculo do break even point, ou seja, o ponto de equilíbrio na cobertura dos custos fixos e variáveis.

Dessa maneira, a empresa consegue fechar as contas de acordo com os objetivos previamente definidos. Para você entender tudo sobre o assunto, elaboramos este post com dicas incríveis. Confira!

O que é o break even point?

O break even point é um termo em inglês que significa o ponto exato em um balanço financeiro. Assim, o conceito revela o quanto de dinheiro é necessário para uma companhia cobrir os custos fixos e variáveis, sendo extremamente útil para controlar o fluxo de caixa.

O ponto de equilíbrio é quando a empresa mantém tudo em dia, mas não obtém lucros e nem prejuízos, ou seja, trata-se de um indicador que auxilia o empresário na elaboração de metas para atingir um determinado índice de lucratividade.

De uma forma geral, o break even point é uma espécie de planejamento financeiro empresarial com foco na manutenção do negócio. Afinal, muitas empresas fecham às portas exatamente pelo fato dos gestores não conseguirem equilibrar as contas. Ao saber o quanto precisa para não entrar no vermelho, o empreendedor vai agir tendo um objetivo a ser alcançado.

Qual é a importância do break even point?

A principal vantagem ao calcular o break even point é que o gestor não vai se perder na contabilidade. Dessa maneira, é possível adequar o caixa da empresa para possíveis interferências, como períodos de crise.

O indicador ainda auxilia nas tomadas de decisões, pois demonstrará o valor necessário para obter lucros e também novos investimentos, ou seja, contribui para que sejam adotadas atitudes conscientes.

Assim, dificilmente haverá uma surpresa negativa que possa comprometer o caixa da empresa. Geralmente, o break even point é calculado em diferentes momentos, pois a empresa pode crescer ou reduzir os gastos.

Com isso, seja na abertura ou no décimo ano de determinado negócio, sempre é importante fazer esse cálculo para obter um condutor do dia a dia. Assim, ao saber quanto é necessário para equilibrar as contas, o gestor pode reduzir gastos em períodos de poucas transações ou investir na expansão quando o break even point estiver sendo superado.

Por isso, sempre é indicado manter o caixa no azul e com alguma reserva em caixa. Afinal, com a atual volatilidade do mercado, negócios estão mais sujeitos a enfrentarem contratempos — seja por interferências externas ou até mesmo gastos extras, como no pagamento dos direitos de um colaborador que será demitido etc.

Desse modo, ao manter o break even point adequado, a temida falência fica distante, pois o gestor realizará o devido monitoramento financeiro, evitando a necessidade de empréstimos que possam comprometer ainda mais no equilíbrio das contas.

Como calcular o break even point?

O cálculo do indicador necessita ser feito por meio de dados referentes a alguns aspectos do negócio, tais como:

  • custos variáveis: são as despesas que podem aumentar ou diminuir ao longo dos meses, como a aquisição de mais ou menos matérias-primas de acordo com o nível de produção;
  • custos fixos: é tudo aquilo que precisa ser pago todos os meses, geralmente com os mesmos valores. São os salários dos colaboradores, aluguel, contas de energia, água etc.;
  • vendas: trata-se do dinheiro que entra no caixa de acordo com as transações comerciais realizadas sejam elas de produtos ou serviços;
  • margem de contribuição: é o chamado custo que um negócio necessita para elaborar um produto ou que se gasta na prestação de determinado serviço.

Com os dados em mãos, o gestor terá que calcular a margem de contribuição por meio da receita total menos os custos variáveis.

Depois, chega a hora de encontrar o índice da margem de contribuição (MC) pela fórmula: MC dividido pela receita total. Em seguida, o ponto de equilíbrio será definido pelo cálculo custos fixos dividido pelo índice da margem de contribuição. O resultado, portanto, é o break even point.

Vamos exemplificar para você entender melhor as regras, tendo como base uma empresa com receita total de R$ 100 mil. Assim, a realidade será essa:

  • receita total (RT): R$ 100 mil;
  • custos variáveis (CV): R$ 30 mil;
  • custos fixos (CF): R$ 20 mil;
  • ao calcularmos a margem de contribuição, teremos: RT – CV (100 – 30)= R$ 70 mil;
  • o índice da MC é encontrado pela fórmula MC dividido RT (70 dividido 100= 0,7;
  • assim, o ponto de equilíbrio será CF dividido por IMC= R$ 28,5 mil.

Tendo esse exemplo hipotético, a empresa teria que ganhar R$ 28,5 mil no mês para deixar a conta zerada. Qualquer valor acima desse montante, será o lucro. Bem simples, não é mesmo?

O que é preciso para não errar nos cálculos?

Apesar da importância do break even point, o índice só será realmente atingido corretamente se os números apresentados estiverem dentro da realidade da sua empresa.

Para não errar nos cálculos, a dica é sempre contar com o auxílio da tecnologia. Atualmente, a gestão de custos fica bem mais profissionalizada por meio das plataformas ou softwares que realizam o devido controle orçamentário.

Com eles, é possível inserir as entradas e saídas, o controle do estoque, pagamentos realizados, contas a receber, enfim, os dados são registrados para posteriormente auxiliarem nos cálculos e também análises.

São aspectos importantíssimos nas tomadas de decisões e também no planejamento financeiro, ou seja, vale a pena você sempre investir nesse quesito.

Outra dica é sempre manter o controle em dia, ficando atento aos dados e também nos números apresentados de acordo com as vendas, custos fixos, variáveis e margem de contribuição.

Assim, certamente o break even point de sua empresa apresentará valores que poderão ser superados mês a mês, fazendo com que o seu negócio cresça e trace metas mais audaciosas. Afinal, o ponto de equilíbrio auxilia na sobrevivência, mas é preciso ir além para sempre obter a lucratividade.

E aí, o que achou do nosso post? Quer sempre se manter bem informado sobre o mundo dos negócios? Então assine agora mesmo a nossa newsletter!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *