Veja como está o crescimento do mercado de crédito no Brasil

O Brasil vem enfrentando uma crise econômica desde 2014, com altas taxas de desemprego, de inflação e elevação dos preços. O dinheiro está tão curto para pagar todas as contas, que é preciso recorrer ao mercado de crédito.

Fazer um empréstimo pessoal é uma das alternativas para quitar dívidas, fazer alguma compra ou mesmo viajar. Porém, antes de adquirir um empréstimo é preciso avaliar se é o momento mais apropriado, para que você não assuma algo que possa complicar sua vida financeira.

Por isso, fizemos este artigo para que consiga analisar o mercado. Acompanhe!

O que é mercado de crédito?

O mercado de crédito é o conjunto de operações realizadas com prazo curto (menos de um ano), médio (de um a cinco anos) ou aleatório (acima de cinco anos), para dar o aporte de caixa que as pessoas físicas ou jurídicas precisam naquele momento.

São soluções de empréstimo e financiamento oferecidas por instituições financeiras da seguinte forma:

  • para pessoa física, os créditos são o consignado, direto ao consumidor, cheque especial, cartão de crédito, leasing, dentre outros;
  • para pessoa jurídica, os créditos são o empréstimo para capital de giro, financiamento para máquinas e equipamentos, financiamento de projetos etc.

Ao realizar um acordo de crédito é preciso estabelecer o valor do montante negociado, sua forma de pagamento, a taxa de juros pré ou pós-fixada, as garantias ofertadas como o aval, imóveis, máquinas, ativos financeiros dentre outros e para que serão usados os recursos.

É um momento bom para buscar crédito no mercado?

Segundo a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), o ano de 2019 é bastante favorável, pois o crescimento da economia do Brasil deve ficar entre 2,5% a 3%.

O Produto Interno Bruto aumentará em média 1,4%. Esses dois dados darão condições de se fixar a taxa de juros em 6,5% ao ano. Junto a isso, acredita-se em uma inflação abaixo da meta — 4,25%. São panoramas que ajudam a fortalecer o mercado de crédito para este e os próximos anos.

Qual o impacto das fintechs no mercado?

As fintechs têm revolucionado o mercado de crédito com soluções em serviços financeiros — beneficiando não somente os usuários físicos e jurídicos, mas também o mercado, ela tem sido uma tendência de negócio

Muitos dos serviços oferecidos pelas fintechs são os mesmos ofertados pelas instituições financeiras como cartão de crédito, financiamento, seguros, contas etc. O diferencial está em uma estrutura enxuta, simples, desburocratizada e ausência de tarifas e taxas em alguns produtos.

A experiência do usuário é o que impacta os negócios das fintechs, pois os clientes têm autonomia na gestão do seu crédito, não enfrentam filas, não têm que ficar enviando documentos ou prestar conta de sua vida.

Essa expansão tecnológica veio de encontro com a geração Y no mercado, que já está imersa no mundo digital, buscando soluções para suas necessidades cada vez mais rápidas. Mas as mudanças de comportamento estão atingindo gerações anteriores que vêm se adequando ao novo formato online.

Com as fintechs é possível economizar e encontrar serviços melhores, pois as startups oferecem as taxas de juros mais baixas em relação ao que os bancos tradicionais têm, além de usar a inteligência artificial para fazer as análises de créditos com aprovação online. Elas vêm mudando o mercado de crédito do mundo todo, sendo um sistema que veio para ficar. 

Aproveitando esta tendência das fintechs, os bancos do nicho de crédito consignado vem investindo em tecnologia para gerar comodidade aos seus clientes ao contratarem empréstimos de forma online, sem saírem de casa.

Quais as projeções para o próximo ano?

O Banco Central apresentou uma estimativa satisfatória para 2020, pois o PIB ficou estipulado em 2,50%, inclusive para 2021 e 2022. A inflação está prevista em 4%, porém para 2021 e 2022 poderá chegar a 3,75%. Já a taxa de juros ficou entre 7,25% a 8% ao ano para 2020 até 2022.

O objetivo é reduzir os juros para diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo do mercado brasileiro.

Diante deste cenário, o momento está propício para fazer empréstimo e financiamento, pois o mercado de crédito está sendo estimulado para que a população consiga colocar sua vida financeira em ordem, ou mesmo aproveitar para empreender e começar um novo negócio.

Aproveite para ampliar seu conhecimento e aprenda como identificar as oportunidades de negócios.

Entenda o que é preciso para fazer marketing para franquias

Você tem alguma noção de como se faz marketing para franquias? Elas têm regras a serem seguidas pela rede, como questões culturais e regionais, além das formas de comunicação da marca, tudo de maneira padronizada. Com uma visão estratégica, as ações atendem os clientes, os franqueados e toda a rede.

Nós preparamos este artigo para ajudar você a entender melhor por que é importante investir em marketing e quais estratégias podem ser adotadas. Então, continue a leitura!

Confira a importância de investir no marketing

Toda empresa, por menor que seja, precisa de ações de marketing, pois nele se concentram a inteligência competitiva e a estratégia para que o mercado possa ser estudado em seus pontos fortes e fracos, assim como as ameaças e as oportunidades. Assim, são analisados recursos para atender os desejos dos clientes.

O marketing deve ser visto como investimento e não gasto, já que muitas vezes é na retração do mercado que ele proporciona o crescimento da empresa, fidelizando clientes e aumentando a lucratividade, oferecendo produtos e serviços que os consumidores precisam.

As vendas e as propagandas fazem parte do marketing, mas ele é mais profundo. Há um estudo sério do mercado com pesquisas e análises para que as empresas atinjam suas metas.

Veja as estratégias que podem ser adotadas

Existem estratégias tanto para pontos de vendas como para mídia digital. O importante é manter a padronização e comunicar o conteúdo aos consumidores.

Avalie e estude o público-alvo

No modelo de negócio de franquias, existem dois públicos-alvo, sendo os consumidores dos produtos ou serviços e os empreendedores que se interessam pelas franquias. Assim, é preciso trabalhar ambos, apesar de haver uma preferência pelo consumidor final.

Contudo, o franqueador não pode se esquecer de que é o investidor que disseminará a sua marca e se tornará um parceiro da empresa. Dessa forma, quando montar o site de sua franquia, leve o empreendedor para uma página com as informações sobre ela. Se possível, exiba um guia de como se tornar um franqueado.

Transmita credibilidade

Credibilidade é uma palavra importante para os negócios. Afinal, uma marca padronizada demonstra seriedade e confiança para seus clientes.

Além disso, em seu site deve haver a história da empresa, o posicionamento, informações sobre o mercado em que atua, vantagens e depoimentos de franqueados. Tudo isso para transmitir credibilidade, a fim de que os empreendedores se interessem e entrem em contato, querendo mais dados para um possível negócio.

Esteja nas redes sociais

É imprescindível que as empresas estejam nas redes sociais, já que elas são canais de relacionamentos dos clientes com a marca. Além disso, são um veículo de informação para que os seguidores estejam sempre atualizados acerca das novidades.

As empresas We are Social e Hootsuite realizaram um estudo chamado Digital in 2018: The Americas”, em que ficou constatado quais são as principais redes sociais que o brasileiro mais acessa. O YouTube é o mais visitado com 60% dos acessos, o Facebook ficou com 59%, o WhatsApp com 56% e Instagram com 40%.

Diante desses resultados, é visível que as estratégias de marketing das empresas não podem deixar essas ferramentas de fora das ações, porém a empresa precisa definir em quais redes devem estar de acordo onde se encontra o seu público.

Busque a inovação para se destacar

No marketing para franquias, a inovação é sempre bem-vinda. Por isso, analise as oportunidades para melhorar os processos dentro da empresa e trazer mais rentabilidade. Além disso, compartilhe alternativas com a rede e seja proativo para ganhar a confiança do franqueador.

Portanto, aproveite as ferramentas de marketing para franquias que o mercado oferece. Invista em blog, tráfego, e-mail marketing, entre outros, para alavancar a marca e criar relacionamento com os clientes.

Gostou deste conteúdo? Quer saber ainda mais sobre o assunto? Então veja as vantagens de uma franquia para que possa investir em um negócio com segurança.

Conheça os melhores investimentos da atualidade

Está procurando tranquilidade financeira para viver de renda daqui a alguns anos? No entanto, desconhece quais são os melhores investimentos no momento? Seu desejo está na contramão da maioria dos brasileiros que se encontram endividados e não sabem como sair dessa ciranda, o que é um fator positivo para você.

Na hora de aplicar suas economias, talvez fique em dúvida quanto a investir ou empreender. Conhecendo as mudanças do mercado, você poderá sair no lucro e atingir suas metas financeiras. Para ver seu dinheiro render, é preciso entrar no jogo e se antecipar às adversidades como o cenário econômico nacional e internacional, a aprovação de reformas e tantas outras.

Por isso, vamos mostrar neste texto quais investimentos são favoráveis, mas lembre-se de ficar atento porque o panorama pode mudar, de forma que você precise fazer ajustes. Vamos lá?

Compreenda a economia atual e a importância de investir o capital

A economia brasileira começou o ano com uma lenta recuperação. Os analistas consideram que a taxa de crescimento deve ser no máximo 3% até o fim do governo de Jair Bolsonaro. O endividamento das famílias, das empresas e do governo têm travado o restabelecimento do país.

Governos anteriores fizeram investimentos em setores nada produtivos e as altas contas públicas a serem pagas estão barrando investimentos da União, dos estados e dos municípios.

Mesmo diante desse cenário, há boas expectativas por parte do mercado por conta das aguardadas reformas da previdência social e a tributária, assim como as propostas de privatizações.

É urgente que essas providências sejam tomadas, para que o Brasil retorne à sua rota de desenvolvimento e contribua para a valorização dos ativos, beneficiando os investidores. Apesar de 2018 ter sido marcado pelo sobe e desde da Bolsa de Valores, da taxa de juros e do câmbio, o futuro segue mais positivo.

Conheça os melhores investimentos

Saber em que investir é muito importante para não perder dinheiro. É melhor evitar colocá-lo em poupança, fundos DI com taxas de administração superiores a 0,4% ao ano, fundos de previdência com taxas superiores a 1,5% ao ano e CDBs que rendem menos de 95% do CDI.

Sendo assim, veja em quais categorias é mais vantajoso aplicar seus rendimentos.

Renda fixa

Para investir em renda fixa, é necessário considerar que quanto maior o prazo de vencimento, maior será também o de rendimento. Além disso, se houver mais liquidez, haverá menos ganho e se o risco for grande, melhor será o lucro. Por isso, analise seus objetivos e estratégias para poder investir nos seguintes mercados.

CDBs prefixados

Os CDBs atendem a todos os tipos de investidores — conservadores, moderados ou ousados. O que muda nesse investimento são os tipos de renda fixa, sendo prefixado, pós-fixado ou IPCA+. A maior parte de seus investimentos em 2019 devem estar em Rendas Fixas Prefixadas.

Tesouro prefixado

O Tesouro Selic oferece duas opções, as LTN (tesouro prefixado) e as NTN-F (tesouro prefixado com juros semestrais). Já a NTN-B (tesouro IPCA+) é direcionado às pessoas que querem viver de renda. Como os títulos públicos são menos arriscados, sua rentabilidade é menor.

LCI e LCA pós-fixados

As Letras de Crédito Imobiliário e as Letras de Crédito do Agronegócio são investimentos que contam com a garantia do Fundo Garantidor de Crédito até o valor de R$ 250 mil, com a diferença de serem isentos de Imposto de Renda.

Eles rendem entre 92% a 98% do CDI e são as melhores opções para prazos de 3 a 12 meses, se for utilizar o dinheiro para algum objetivo com prazo programado.

Veja as oportunidades para empreender

Abrir o próprio negócio é uma forma de investimento, um pouco mais arriscado, mas há pessoas com perfis ousados que querem deixar de trabalhar como empregados. Dessa forma, podem alcançar maior autonomia, independência financeira e a perspectiva de aumentar a renda. Independentemente do esforço, é a realização de um sonho.

Setor bancário

O crescimento da economia proporcionará a expansão dos bancos privados e fintechs. Esse mercado tem sido atrativo para que investidores gerem novos negócios, principalmente pela ampliação das linhas de crédito.

Com o surgimento dos bancos digitais prestando diversos serviços sem uma agência física e com baixo custo, o mercado tem passado por transformações. No Brasil, existem mais de 300 fintechs operando no mercado financeiro, de acordo com a FintechLab.

Franquias financeiras

O mercado de empréstimos e financiamentos está bem aquecido, conforme constatou a pesquisa Cenário do Empréstimo no Brasil, feita pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e o Serviço de Proteção ao Crédito.

Ela mostrou que 4 em cada 10 brasileiros solicitaram empréstimos nos 12 meses anteriores à pesquisa. É um setor dentro da franchising que está se expandindo com modelos de negócios enxutos.

Imóveis e shopping centers

O crescimento populacional tem proporcionado que o setor de imóveis aumente, ofertando aos consumidores diversos tipos prédios, condomínios, casas etc. A mesma ampliação ocorre com os shopping centers, pois os clientes têm buscado locais seguros para fazerem suas compras. Isso é o resultado da mudança de comportamento do brasileiro que está performando para cima.

Saiba como escolher dentre as opções

Visto que não se trata de uma decisão fácil, você deve ter ciência de como funciona cada opção e quais serão os desafios. Por isso, coloque no papel as vantagens e desvantagens de cada uma. Avalie, ainda, se o seu perfil é de empreendedor ou de investidor.

Faça um planejamento financeiro e verifique os riscos que você correrá nas operações e dê preferência à opção que menos lhe dará problemas para preservar a sua estabilidade financeira.

Ao empreender, terá a chance de trabalhar com algo que lhe dê prazer e de colocar em prática suas habilidades para produzir um bem ou serviço que outras pessoas possam consumir.

Por outro lado, se for investir, poderá diversificar por aplicar no Tesouro Direto e em CDBs, por exemplo, aumentando a segurança do seu dinheiro.

Outra opção, é trabalhar as duas formas em conjunto. Segundo o autor Robert Kiyosaki, do livro “Pai Rico, Pai Pobre”, você pode ser investidor e dono de uma empresa, sem precisar administrá-la. Basta fazer parte do capital social e receber parte dos lucros no final do ano. Isso é o mercado de ações.

Após ter lido nossas orientações sobre os melhores investimentos, você já tem uma noção de qual caminho deve seguir. Identifique seu perfil e pesquise mais a respeito para ampliar seu conhecimento e fazer das aplicações até mesmo uma renda extra.

Já que aplicar o dinheiro em uma franquia também é uma forma de usar bem o seu dinheiro, continue se informando sobre o assunto e leia o artigo “O que é franquia? Entenda agora mesmo o modelo de negócio!”.

Como abrir uma franquia: veja um passo a passo

Está pensando em investir suas economias em uma franquia? Saiba que esse mercado faturou nos últimos 12 meses R$ 177,5 bilhões — um aumento de 7,5% em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com a Associação Brasileira de Franchising. O resultado é derivado da pesquisa de Desempenho do Franchising Brasileiro do 1º trimestre de 2019. Com esse setor aquecido veja como abrir uma franquia e ser dono do próprio negócio.

Você já deve estar pesquisando áreas, valores, modelos de negócios, entre outros dados. A franquia é vantajosa pelo fato de ser um negócio experimentado e aceito pelos consumidores. Além disso, oferece know-how e abre a oportunidade de representar uma marca conhecida no mercado.

Então, conheça o passo a passo para empreender, o que não é tão difícil quanto parece. Vem com a gente!

Encontre a franquia conforme seu perfil

Antes de ver a questão financeira, busque uma franquia de sucesso em uma área que você goste de atuar ou que lhe chame muito a atenção, conforme seu perfil de empreendedor. Pode ser a culinária, o turismo, a estética, a tecnologia, de serviços financeiros e tantas outras.

Escolha a favorita e procure as marcas que estão mais próximas do seu estilo e dos seus valores. Analise as opções para saber em qual investir.

Pesquise o mercado onde você mora

Por melhor que seja o mercado de franquias, nem todo negócio é indicado para determinada cidade ou região, já que os lugares têm características próprias. Assim, pesquise o mercado onde pretende abrir uma franquia, considere o perfil dele, os concorrentes, os seus diferenciais, o potencial de consumo e se ele é indicado para o negócio.

Conheça a franquia de seu interesse

Visite a franqueadora para saber como funcionam os seus processos, de que forma ela desenvolve as operações e que tipo de suporte oferece aos franqueados. Procure saber a quantidade de lojas que a marca detém, incluindo quantas delas são próprias e quantas são franqueadas. Além disso, verifique se alguma foi revendida e quais foram os motivos.

Descubra também há quanto tempo a marca está no mercado. Se ela tiver décadas de atuação, é um ponto positivo, pois o negócio foi testado e aprovado. Essa é uma ótima vantagem para quem quer empreender.

Analise a sua capacidade de investimento

Verifique se os valores solicitados pela marca condizem com quanto você tem para investir. Afinal, você precisará de dinheiro para o capital de giro nos primeiros meses de empresa. Por isso, é importante fazer um planejamento financeiro para que não faltem recursos no processo.

Converse com franqueados e ex-franqueados

Entre em contato com outros franqueados, sendo que eles podem estar ainda em implementação, trabalhando com a marca há poucos meses ou atuando há mais tempo, por um ano ou mais. Caso não encontre empresários nessas fases, converse com outros que estejam disponíveis.

Pergunte sobre o tempo de retorno do investimento, como foi o período de implementação e o suporte fornecido, como estão as vendas e quais são os desafios enfrentados. Questione a respeito do capital de giro empregado e as despesas para manter a loja.

Se você tiver acesso a algum ex-proprietário, verifique os motivos que o levaram a desistir da franquia. Talvez tenha havido má orientação ou falta de suporte, mas considere que as duas partes podem ter errado.

Faça seu cadastro

Ao escolher a marca, preencha a ficha de cadastro no site da empresa para que seja avaliado o seu perfil de candidato. Responder muitas perguntas pode ser cansativo, mas diminui a possibilidade de você dar início ao processo e, por fim, não se adequar às exigências da marca.

Solicite a Circular de Oferta de Franquias — COF

O candidato precisa ter em mãos uma cópia da Circular de Oferta de Franquia. Trata-se de um instrumento jurídico em que constam os serviços oferecidos pela marca, o que inclui valores, taxas e obrigações, tanto da franqueadora quanto do franqueado. Leia todo o documento com atenção.

Examine o contrato

Chegou a hora de assinar o contrato, mas antes procure um advogado para checar todas as cláusulas. Faça perguntas para esclarecer tudo que não ficou claro para você e verifique se o contrato atende aos seus objetivos com a franquia.

Escolha o ponto comercial

Para abrir uma franquia, é preciso ter um bom ponto comercial, principalmente se a franquia for de varejo. Se você tiver dificuldade de encontrar um local interessante, a própria franqueadora pode auxiliar nessa questão.

Avalie a locação do imóvel

Geralmente, o contrato de franquia dura cinco anos. Por isso, procure fechar um contrato de locação com o mesmo prazo para ter segurança em seu negócio. Caso o imóvel precise de reforma, negocie descontos por conta das melhorias você fará no prédio.

Se o local for em um shopping, veja o valor das luvas a serem pagas, já que isso não está incluído no valor de investimento estipulado pela franqueadora.

Quando for renovar o contrato, faça isso antes de terminar o prazo e exija uma cláusula que garanta que, se o imóvel for vendido, o novo proprietário terá de respeitar o prazo de locação. Afinal, sem essa determinação, ele poderá solicitar que o inquilino saia em 90 dias.

Participe do treinamento oferecido pela franquia

Você e sua equipe participarão de um treinamento junto à marca para aprender os processos e conhecer os padrões exigidos pela empresa, bem como tirar as dúvidas que restarem antes da inauguração da sua loja. Além disso, estude o manual de operações para ter um bom conhecimento das atividades que serão realizadas.

Saiba como abrir uma franquia da Franquia Empresta

Com maior facilidade para pessoas físicas conseguirem fazer um empréstimo ou financiamento, o brasileiro vem buscando crédito rápido e sem burocracia. E os correspondentes bancários têm sido fundamentais nessa intermediação.

Analisando esse cenário, a Franquia Empresta é uma boa opção de negócio, porque tem longa experiência no ramo e um modelo de expansão pautado no crescimento. Com estratégias definidas e cidades mapeadas para que o investimento seja interessante. Direcionada às classes C e D, tem em seu público um grande potencial de consumo, com a vantagem de que não há inadimplência diante de outros mercados.

Para se tornar um empreendedor, é preciso buscar um negócio seguro e aprovado pelo mercado. Por isso, acabamos de apresentar os passos de como abrir uma franquia, modelo de negócio que tem chamado a atenção de investidores e vem apresentando expansão nesse panorama de crise que o Brasil tem enfrentado.

Seguindo nosso passo a passo corretamente, sua empresa certamente entrará para as estimativas das franquias que deram certo.

Aproveite para saber mais sobre o nosso trabalho. Preencha o formulário para que um consultor entre em contato com você!

4 dicas essenciais para fidelizar clientes que você precisa conhecer

Uma das maiores riquezas de uma empresa, independentemente do seu tamanho, são os seus consumidores. Se o seu foco for fidelizar clientes, ela garantirá porta-vozes fortes, com potenciais de engajamento que vão atrair outros compradores e perpetuar a imagem positiva da marca.

Manter a fidelização deles custa mais barato do que conquistar novos consumidores. Afinal, se tornam compradores assíduos e com ticket médio cada vez maior. Entenda a seguir como fazer dos seus clientes seus maiores divulgadores.

A importância da experiência do cliente para fidelizá-los

Infelizmente, no mercado, qualquer produto ou serviço pode ser copiado e melhorado. Por isso, para fidelizar clientes a empresa deve primar pela experiência das pessoas com a marca, ultrapassando o limite da satisfação.

A fidelização é um processo de médio a longo prazo e contínuo para que se construa um vínculo afetivo entre marca e cliente. Por exemplo, sua empresa pode entregar o produto na metade do prazo prometido, como também, enquanto o cliente aguarda a embalagem da mercadoria que comprou, o vendedor pode oferecer um café, água ou outra bebida.

Demonstrar interesse em oferecer o melhor para eles conta pontos e traz uma nova experiência. Assim, quando precisar de algo que a empresa produz, sua marca será lembrada, até mesmo para ser dada como referência.

4 dicas fundamentais para garantir a fidelização de clientes

Há diversas formas para se conquistar os consumidores. Conheça quatro delas para implantar na sua organização.

1. Use a teoria da pirâmide invertida

Os clientes se encontram no topo da pirâmide invertida e todos da empresa trabalham em prol de sua satisfação e fidelização. Abaixo deles estão vendedores, líderes e gestores que sustentam o sistema e a estratégia de atendimento.

Essa cultura empresarial é voltada à excelência de atendimento, visando um relacionamento de qualidade, entendendo a relevância do SAC, ouvidoria, pesquisa de mercado etc.

2. Resolva o problema do cliente

Lembre-se da frase: “o cliente sempre tem razão!”. Não discuta com eles a respeito de suas reclamações e tenha uma visão estratégica. Procure saber o que causou insatisfação para agir a partir daí para solucionar o problema deles. Mostre-se verdadeiramente interessado em dar o suporte que estão precisando.

Ao atendê-los, imagine como seria se fosse com você, de que forma gostaria de ser tratado e ter seu aborrecimento resolvido. Um pós-vendas eficiente poderá até fazer com que o cliente esqueça a contrariedade obtida.

3. Priorize o bom atendimento

Cumpra tudo que você prometeu aos clientes, demonstre que realmente se interessa em resolver suas necessidades. Seja transparente, permitindo que tenham todas as informações que precisam para se decidirem por uma compra — inclusive, no momento da negociação. Uma relação construída na confiança proporcionará novas vendas futuras.

4. Coloque dicas para pós-vendas em prática

Coloque o pós-vendas em prática com as dicas a seguir:

  • “obrigado pela preferência!” — uma pequena frase gera empatia, estreitando a relação com os consumidores e com baixo custo;
  • pesquisa de satisfação tem o objetivo de mostrar o interesse pela opinião dos clientes para saber os pontos de atendimento, do produto ou serviço que precisam ser melhorados;
  • aproveite o pós-venda para manter contato, para que a relação entre empresa e clientes não se distancie;
  • realize programas de fidelidade, oferecendo benefícios capazes de agregar valor ao seu produto ou empresa, independentemente da compra;
  • use o Customer Success para acompanhar o desempenho das soluções dos problemas dos clientes.

A relevância da divulgação dos produtos/serviços pelo cliente

O termo-chave para esta ação é marketing de relacionamento. É aqui que os clientes entram ao serem os próprios divulgadores da marca, pois além de consumidores, se tornam fãs. No entanto, para isso é preciso oferecer algo a mais que eles não terão nos concorrentes.

Assim, eles passam a disseminar a marca gerando novas receitas, sendo elas até recorrentes. Se tornam influenciadores, chamando a atenção de seu grupo de amigos, familiares e demais pessoas para se tornarem clientes. É uma “bola de neve” crescendo positivamente.

Resumindo, as empresas precisam fidelizar clientes para sobreviverem ao mercado, se tornarem mais competitivas e perpetuarem suas marcas. É um processo um pouco demorado, mas que proporciona grandes repercussões. Com pequenos passos, já é possível sentir os resultados das ações.

Se você gostou das dicas, curta nossa página no Facebook e mantenha-se atualizado sobre esse e outros assuntos.

Conheça 5 dicas para melhorar a sua imagem profissional

Você sabia que cuidar da sua imagem profissional é imprescindível para compor o sucesso de seu negócio? Sua atuação e seu sentimento devem ter um tom uníssono, para que os outros o considerem uma pessoa coerente.

Trabalhar bem a imagem profissional ajuda a criar oportunidades de negócios e redes de contato, concretizando-se em contratos fechados. Os clientes buscam profissionais que demonstrem segurança e desempenhem funções diversas, sejam adaptáveis e tragam resultados.

Transmita a segurança que sua área exige de forma efetiva, afinal, sua aparência é seu cartão de visita. De forma racional, pense que maneira quer que os outros o vejam e invista na produção seguindo as 5 dicas que daremos agora. Continue conosco!

1. Seja pontual com seus clientes

Pontualidade indica respeito para com a outra pessoa que marcou um compromisso com você. Se vai haver uma reunião com um cliente, confirme o horário e reforce sua presença na hora certa. Essa atitude ajuda a construir relacionamentos e ganhar pontos frente a concorrentes.

Fazer a gestão do tempo é fundamental — inclusive, apresente-se já com uma pauta predefinida com os principais pontos a serem debatidos, para que dure o tempo necessário. Mostre sua eficiência e até onde pode atuar para auxiliar o cliente.

2. Tenha cuidado com o vestuário para sua imagem profissional

Analise qual o vestuário adequado para a categoria de seu negócio — por exemplo, se for uma academia, não há nada de errado que você se vista de forma esportiva; agora, se sua profissão é de médico, o indicado são roupas e calçados brancos.

Além disso, cuidado com o desleixo. Para os homens, barba e cabelo devem ser sempre aparados e bem tratados, os pelos dos narizes e ouvidos também cortados, unhas sempre limpas e curtas.

As mulheres precisam estar com mãos e pés feitos, cabelos arrumados e com coloração, para não aparecerem os brancos. E, claro, para ambos, um bom perfume, marcando sua presença, mas sem ser enjoativo.

É fato que sua competência está acima de seus cuidados pessoais, no entanto, esses fatores facilitam as relações, gerando oportunidades. Não se esqueça do tom de voz, evitando falar alto e palavras não condizentes com o momento.

3. Seja proativo no desempenho de seu trabalho

Você sabe o que é ser proativo? É ser um profissional que se adianta às necessidades de seus clientes para solucionar problemas antes que se compliquem. Ele consegue ter uma visão estratégica e ampla, percebendo os erros e trazendo soluções.

O bom é que a proatividade é uma qualidade que pode ser desenvolvida de acordo com a personalidade da pessoa, garantindo que a procrastinação não faça parte de seu vocabulário e muito menos de sua agenda e trabalhando para ser uma pessoa entusiasmada e de muito profissionalismo, de modo a sempre causar excelente impressão.

4. Tenha organização em sua empresa

Assim como a pontualidade, a organização é outro ponto importante, pois “tempo é dinheiro”, e desorganização gera perda de tempo.

A otimização de processos permite alcançar resultados melhores em menos tempo. Por isso, mantenha os papéis de sua mesa em ordem, assim como os arquivos no computador nos devidos lugares, para que você ou qualquer outra pessoa possa encontrar um documento quando necessário.

Com tudo organizado e controlado, sua empresa conseguirá entregar para os clientes um serviço de maior qualidade, e qualquer ajuste poderá ser realizado rapidamente. Além disso, uma pessoa organizada cumpre horários e prazos de forma eficiente.

5. Comunique-se corretamente para obter resultados

Ao conversar com as pessoas, olhe nos olhos, dê a devida atenção, mostre interesse fazendo perguntas ou dando dicas, evite se distrair da conversa e busque manter um diálogo de forma prazerosa para ambos.

Caso se sinta inseguro quanto ao vocabulário ou à gramática, procure um curso de português, oratória e expressão corporal. Isso vai ajudá-lo a se expressar melhor e fazer com que sua comunicação atinja o objetivo traçado.

Resumindo, sua imagem profissional deve ser trabalhada para que você se torne uma presença marcante, independentemente se for empregado ou proprietário do seu negócio. Assim, de forma segura poderá oferecer os produtos ou serviços mais eficientes do mercado. Seguindo essas 5 dicas, o caminho do sucesso será construído!

Viu como não é tão difícil? Agora, conheça as tendências de negócios para diversificar seu mercado de atuação!

Qualidade de vida no trabalho: abra o seu próprio negócio!

Você tem buscado qualidade de vida no trabalho e não está encontrando? O ritmo acelerado do dia a dia não deixa muito tempo para o cuidado com a saúde ou ter lazer com amigos e familiares. E o trabalho, frequentemente, não traz satisfação. Para combater essa realidade, muitas vezes, precisamos de uma guinada profissional, para encontrar o equilíbrio e uma vida mais feliz.

Abrir o próprio negócio, na própria profissão ou mesmo mudando de área, pode ser uma opção, porém, fique atento aos conhecimentos necessários e aprenda a lidar com a pressão para atingir as suas metas. Afinal, o salário do mês é você que vai fazer.

Quer mudar de vida? Aprenda a combinar vida profissional e pessoal para que não tenha a sua produtividade ou felicidade prejudicadas. Continue a leitura para saber como construir uma carreira de sucesso tendo qualidade de vida no trabalho!

O que é qualidade de vida?

A qualidade de vida é o entendimento que a pessoa tem quanto ao seu posicionamento na vida, com seus valores culturais, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Algumas pessoas acreditam que morar em uma casa grande e viajar pelo mundo faz parte disso. Outras apostam em trabalhar no que gostam, mesmo não obtendo muitos lucros.

Resumindo, é encontrar o equilíbrio físico, emocional e financeiro. É estar bem com a família, amigos, ser realizado no trabalho, ter saúde e estar bem com você.

Como abrir um negócio pode ajudar nesse equilíbrio?

Está cansado de ser empregado? Abra seu próprio negócio, mas entenda que o trabalho não diminuirá, pelo contrário. A sua dedicação e empenho deverão ser ainda maiores, porém, há muitas vantagens a serem consideradas.

Flexibilidade no horário de trabalho

Uma vez que você é dono de seu negócio, há mais flexibilidade de horário para que realizar outras atividades, como buscar os filhos na escola, ir à academia, fazer um curso que ache necessário ou que sente vontade. Além disso, pode programar as suas férias e feriados.

Desde que tenha disciplina para organizar os seus horários e não prejudicar a sua produtividade, o empreendedor poderá ter mais liberdade. A jornada de trabalho pode ser estabelecida para os horários em que ele se sentir mais produtivo e motivado.

Mais ganhos financeiros

Ao trabalhar por conta própria, a possibilidade de aumentar os ganhos é maior, já que é possível estipular metas e salário, pelo pró-labore. Mas vale lembrar que isso depende do faturamento permitido pela empresa.

Com um planejamento financeiroum plano de negócios e técnicas de gestão, o empreendedor traçará metas realistas e trabalhará para que o negócio prospere gradualmente.

Satisfação pessoal

Ter o próprio negócio inspira muito prazer em se dedicar a ele. O empreendedor sente que todo o seu esforço vale a pena. Dependendo do momento, o trabalho chega a ser também um lazer, devido à satisfação pessoal. Além disso, ver o resultado gera orgulho pela conquista.

A possibilidade de ter qualidade de vida no trabalho não é sonho, mas, sim, realidade. Com uma independência financeira, é possível alcançar metas em todas as áreas, unindo o bem-estar da profissão e da vida pessoal para trazer momentos de alegria e oportunidades de crescimento.

Infográfico – Mudando de vida: passo a passo para sair do emprego e abrir seu negócio

Deixar de ser empregado e abrir o próprio negócio traz insegurança, mas há etapas que devem ser seguidas para que essa transição seja a mais tranquila possível. Veja o infográfico e siga as orientações.

Escolha o tipo de negócio

Primeiramente, você deve buscar uma área de que goste para estar bem informado sobre se há oportunidades de negócio. Seu trabalho ajudará as pessoas a resolverem algum problema e facilitará a vida delas? Você venderá um produto ou serviço?

Estude o mercado

Com o negócio escolhido é hora de buscar o público-alvo indicado e que precisará de seus serviços. Conheça os concorrentes, saiba de que forma trabalham, o que eles têm de diferenciais e o que você pode oferecer de novidade em relação a eles.

Deixe todas as informações registradas no computador para não se perder. Inclua nesses dados os custos operacionais para conhecer as vantagens e desvantagens do mercado. 

Tenha um plano de negócio

Após esse passo, você precisará desenvolver um modelo de negócio com com informações sobre o ramo de atuação, produtos ou serviços oferecidos, clientes, concorrentes e os fornecedores. Como também, conhecer os pontos fracos e fortes de sua empresa para viabilizar a sua ideia.

Tenha claro os objetivos e metas

Ao abrir seu negócio será preciso ter metas e objetivos prontos para que tenha foco em suas decisões. Se for necessário, mude a direção, mas sempre buscando a evolução.

Você pode traçar objetivos gerais e estratégicos para metas diárias, mensais e anuais e as ações que serão realizadas para atingir as tarefas.

Saiba a hora certa de sair do emprego

Muitas vezes, temos tanta vontade de realizar o sonho de deixar o emprego formal, mas não sabemos se o momento é propício para isso. Afinal, por pior que esteja a situação dentro da empresa, seu salário está garantido. Contudo, nem sempre isso basta.

Avalie sua satisfação em ir trabalhar todos os dias, se suas ideias são valorizadas e se há respeito por parte de seus superiores. Além disso, é preciso verificar se há oportunidades de crescimento para você.

Pondere se é realmente o que quer e comece a agir para abrir o seu próprio negócio. 

Infográfico - Mudando de vida: passo a passo para sair do emprego e abrir seu negócio

 

Texto do Infográfico

Você quer ser empreendedor, mas tem medo de viver uma vida profissional autônoma? Conheça alguns sinais para que possa descobrir qual o momento exato de tomar essa decisão e em qual área você deve atuar.

Escolha o tipo de negócio

Pense em uma área que você tem afinidade e se venderá um produto ou prestará um tipo de serviço. Sua ideia precisa solucionar os problemas de um determinado público — pense sempre nisso.

Estude o mercado

Defina o público-alvo e pesquise como funciona o negócio, de qual forma os concorrentes trabalham, perspectivas de despesas e lucros e busque informações com pessoas experientes.

Tenha um plano de negócio

Desenvolva um modelo de negócio avaliando o setor, produtos ou serviços oferecidos, clientes, concorrentes e fornecedores.

Tenha claro os objetivos e metas

Trace metas e objetivos possíveis de serem alcançados. Ideias no papel dão uma visão clara e conjunta, evitando o esquecimento de itens importantes.

Saiba a hora certa de sair do emprego

Analise se o seu desempenho dentro da empresa é valorizado. E se o seu propósito é desenvolver algo maior e que não está conseguindo fazer no trabalho em que está, como empregado. Talvez o empreendedorismo seja a melhor solução. Pense nisso!

Viu que agindo tranquilamente e um passo de cada vez é possível programar e abrir o próprio negócio? Assim, incentive mais pessoas a realizarem seus sonhos compartilhando estas informações.

Gostou deste conteúdo? Curta a nossa página no Facebook e receba dicas e informações importantes para dar esta guinada profissional!

Saiba como elaborar uma análise SWOT para abrir sua empresa!

Um bom planejamento é fundamental para o começo de toda empresa, tendo em vista que pode identificar características do negócio que, às vezes, não parecem tão evidentes. É neste momento que a análise SWOT faz toda a diferença.

A análise SWOT — ou matriz FOFA — é uma metodologia que pode ajudar você a tomar decisões estratégicas. Por meio dela, é possível fazer um diagnóstico do negócio e identificar desafios e viabilidades. Ela consiste em quatro quadrantes com o objetivo de analisar tanto os fatores internos, que permeiam o empreendimento, quanto os externos.

Esse método é um ótimo aliado na abertura de qualquer negócio, portanto, saiba, neste artigo, como elaborar uma análise SWOT para começar sua empresa.

Monte um quadrante

Antes de começar, é preciso criar um quadrante, de modo a dividi-lo em dois ambientes na horizontal:

  • ambiente interno: forças e fraquezas;
  • ambiente externo: oportunidades e ameaças.

Os fatores internos são aqueles que podem ser controlados na própria estratégia do negócio. Já os externos são situações ligadas ao mercado em que não é possível controlá-los por meio da gestão do empreendimento.

Para criar uma análise SWOT consistente, é vital ter boa fonte de dados. Alguns exemplos são:

  • jornais;
  • fóruns;
  • revistas;
  • pesquisas com dados recentes;
  • redes sociais dos concorrentes;
  • blogs do segmento;
  • opinião de especialistas;
  • sites de reclamação, entre outros.

Avalie as forças internas

O primeiro passo é conhecer melhor os pontos fortes e fracos do negócio. Para isso, você precisa levantar o maior número de dados possível para obter informações atualizadas e consistentes.

Liste as forças

Nesta etapa, você deve listar as características do negócio que identifica como pontos positivos. Então, perceba as particularidades que são diferentes do mercado, por exemplo:

  • know how dos profissionais;
  • qualidade dos produtos ou serviços;
  • tempo de atendimento, entre outros.

Identifique as fraquezas

Todo empreendedor precisa compreender melhor sobre o segmento no mercado. Por isso, nesta etapa é fundamental listar os atributos do negócio em que você percebe a necessidade de melhorias. Alguns exemplos podem ser:

  • falta de equipe suficiente para atender rápido;
  • demora na entrega devido ao estoque enxuto;
  • identidade visual confusa, entre outros.

Analise as forças externas

O segundo passo é identificar os fatores de mercado que podem interferir nos resultados da sua empresa. Nesta etapa, você precisa entender melhor o que o mercado já oferece e identificar características que ainda não foram exploradas.

Considere as ameaças

Analise os desafios que podem ser encontrados no mercado. Assim, questões como diferencial competitivo dos concorrentes e tendências de mercado são cruciais para obter essas informações, como:

  • cenário político;
  • riscos do negócio;
  • fatores sociais e tecnológicos, entre outros.

Examine as oportunidades

Agora é o momento de perceber os fatores externos que podem influenciar o negócio de forma positiva. Então, faça uma lista das vantagens que sua empresa terá em relação às propostas do mercado, tais como:

  • fraquezas da concorrência;
  • fatores políticos e econômicos;
  • parcerias e recomendações, entre outros.

A análise SWOT é uma ótima oportunidade para entender o contexto do empreendimento, por ser um método flexível em qualquer situação e acessível a qualquer pessoa. Por isso, ela é recomendada tanto para abrir um negócio, quanto para uma empresa já constituída. É uma poderosa ferramenta  para ajudar os empreendedores a tomarem decisões e criar planos pensando no seu desenvolvimento.

Após montar o quadrante e seguir nossos passos, você vai ter uma clareza maior de como elaborar uma análise SWOT para abrir sua empresa e colocar seu planejamento em prática.

Se você quiser entender mais sobre como ter um empreendimento de sucesso, leia também o post “O que é franquia? Entenda agora mesmo o modelo de negócio!“.

Saiba como fazer um planejamento financeiro empresarial de sucesso!

Ter uma boa gestão financeira do negócio faz toda a diferença para alcançar o sucesso. Em 2018, mais de 64 mil empresas brasileiras declararam falência e notícias como essa amedrontam muitos empreendedores.

Por isso, criar um plano financeiro é fundamental para gerar resultados. Com ele, você consegue se preparar para os meses de menor faturamento e estruturar o crescimento da sua empresa. Acompanhe o nosso passo a passo para montar um planejamento financeiro empresarial com excelência.

Entenda a situação da empresa

O principal objetivo de fazer um planejamento financeiro empresarial é conhecer as receitas e despesas da sua empresa. Assim, é mais fácil criar uma projeção econômica do empreendimento. Ele também é fundamental para proporcionar clareza sobre situações, como:

  • média de faturamento;
  • estimativa de lucro;
  • períodos propícios à escassez;
  • prazo de retorno sobre investimento, entre outros.

Então, faça um diagnóstico atual do seu negócio, porque isso vai ajudar na tomada de decisão. Analisar o balanço patrimonial também é fundamental para compreender melhor sobre os ativos e passivos.

Controle suas operações

O plano financeiro da sua empresa precisa começar antes de iniciar o próximo ano. Um programa anual dividido por períodos ajudará a compreender as expectativas do negócio.

Planilhas e sistemas financeiros são ótimas ferramentas de apoio nesse processo, uma vez que conseguem organizar as informações e gerar relatórios atualizados. Informatizar esses dados vai ajudar na clareza e economizar tempo ao colher os informes.

Crie uma estimativa de custos e despesas para que os demonstrativos financeiros proporcionem uma visão estratégica de todo o empreendimento. Contudo, além de anotar os dados, também é preciso acompanhá-los para evitar surpresas indesejadas.

Analise o mercado

A influência da macroeconomia também precisa ser considerada. O posicionamento de mercado em relação aos concorrentes é um fator relevante para essa análise. Portanto, acompanhe as novidades da área, tendências de mercado e crises políticas.

Além disso, é essencial construir bons relacionamentos com fornecedores de confiança. Esse poder de negociação facilita na conquista de propostas atrativas e preços melhores.

Crie um plano de metas

Estabelecer metas anuais ajuda a manter o foco. Por isso, comece o ano estabelecendo um alvo que precisa ser almejado por todos os setores. Para isso, projete quais metas precisam ser realizadas de modo a alcançar o objetivo. Ao criar um plano de metas, considere esses passos:

  1. determine um objetivo para a empresa;
  2. estabeleça as metas necessárias;
  3. elabore um cronograma estratégico;
  4. execute as ações para alcançá-lo;
  5. mensure os resultados.

Mantenha as contas sob controle

Como empreendedor, você deve monitorar os valores a pagar e a receber do negócio, logo, acompanhe todos os registros de gastos. Crie métodos de organização para gerenciar todos os pagamentos, por exemplo:

  • separar as operações por data de vencimento;
  • fazer listas diárias contendo as contas a pagar;
  • antecipar pagamentos;
  • agendar débitos automáticos;
  • criar alertas em sistemas e aplicativos.

Além disso, considere manter as despesas essenciais ao avaliar a necessidade de gastos, principalmente das que são negociadas a prazo. Revisar a conciliação bancária da sua empresa também ajuda no acompanhamento das movimentações da conta.

Então, lembre-se de conhecer mais a fundo sobre sua empresa para conseguir criar ações que ajudem a fazer o controle financeiro. Assim, será mais fácil criar um comparativo com o cenário externo para estabelecer suas metas. Tudo isso ajudará no seu planejamento financeiro empresarial para conquistar resultados e melhorar as oportunidades de negócios.

Ter um plano financeiro é fundamental, porém, sem organização pessoal se torna um desafio. Então leia nosso outro artigo e saiba como organizar sua vida financeira e ter uma reserva.

Conheça 5 tipos de franquias com custos para todos os bolsos

 

Você sabia que em 2018 foram inauguradas mais de 153 mil novas unidades de franquias? Além disso, o mercado faturou mais de R$ 174 bilhões, segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF).

Ter um negócio de sucesso é o sonho de muitas pessoas que querem empreender. Partindo por essa ideia, investir em franquias de baixo custo é uma ótima oportunidade, porque são modelos mais acessíveis.

Ao adquirir uma franquia, você também ganha a segurança de investir em um negócio validado no mercado e o apoio na implementação da estratégia do empreendimento — uma ótima chance para empreendedores iniciantes.

Listamos neste artigo alguns modelos de franquias que cabem em todos os bolsos. Então, acompanhe a leitura para ter algumas ideias, desde a barata até a mais cara.

1. Franquia shop in shop

Você já viu um quiosque de venda de celulares dentro de uma loja de roupa? Esse é um exemplo clássico de uma franquia shop in shop. A empresa autoriza a instalação de uma mini-franquia dentro do seu espaço, com o objetivo de atrair um público maior. Assim, enquanto o marido escolhe o aparelho de celular, a esposa leva um vestido e um sapato.

As mini-franquias, que funcionam nesse modelo, têm um baixo investimento quando comparadas com as outras. Como não exigem capital para instalação e contratação de pessoal, existem possibilidades a partir de R$ 10 mil.

No entanto, por ser um investimento de baixo custo, a estimativa de faturamento das franquias é baixa. Em geral, também são atividades feitas pelo próprio franqueado.

2. Franquia individual

As franquias individuais também são consideradas de baixo custo. São modelos que exigem contrato individual para cada estabelecimento, ainda que o franqueado tenha mais de um com a mesma franqueadora.

A escolha do ponto comercial também faz parte de um planejamento estratégico, assim, a franqueadora oferece um mapa das principais cidades com as opções dos locais.

Na prática, é um modelo que exige espaço exclusivo e não divide a clientela com outras empresas. Ou seja, se você for franqueado de uma rede de perfumaria, não poderá vender outra marca de perfumes.

Em geral, essas franquias oferecem produtos e serviços para revenda, por isso a franqueadora exige exclusividade.

Algumas ideias de tipos de franquias que utilizam esse modelo:

  • fast-food;
  • vestuário;
  • calçados;
  • acessórios e joias;
  • telefonia.

3. Franquia de serviço

Nesse modelo, o franqueador detém todo o know-how sobre a metodologia e a prestação de serviço, então, o papel do franqueado é fazer o intermédio entre o cliente e a marca. A franquia exerce todo o controle sobre o modelo de negócios e a qualidade do serviço.

É um empreendimento que demanda muito mais conhecimento da área de atuação. Tem um investimento total em torno de R$ 90 a 120 mil, então, se você busca um faturamento médio mensal de R$ 25 mil, essa é a melhor opção.

As franquias financeiras são um exemplo prático desse modelo, porque detêm o método de trabalho e todo o conhecimento para a empresa funcionar. São franquias de baixo custo que oferecem um negócio que nunca cai em desuso, ou seja, dinheiro. Outros exemplos são escolas de idiomas e redes de hotelaria.

4. Franquia combinada

A franquia combinada é um modelo diferente, porque permite conciliar a venda de produtos de outras franquias. A ideia é que os produtos comercializados sejam complementares e, com isso, o franqueado amplia sua oferta.

Um exemplo prático para franquia combinada acontece nos postos de gasolina. Assim, o franqueado pode combinar negócios diversos ao distribuir combustível com uma rede de farmácia e outra de lanchonete, por exemplo.

O grande problema desse modelo é que o custo se torna mais alto, tendo em vista que cada franquia exige seu investimento próprio. Além disso, é preciso gerir uma equipe grande, com conhecimentos distintos.

Vale lembrar, ainda, que os franqueadores precisam aprovar o modelo da franquia combinada antes da sua implantação. Caso contrário, o franqueado pode ter seu contrato rescindido e ainda enfrentar as sanções previstas na Circular de Oferta de Franquia (COF).

5. Franquia industrial

A mais cara da nossa lista, as franquias industriais ainda podem ser de baixo custo porque alguns negócios permitem uma estimativa de retorno em até 18 meses. Em geral, é um modelo acordado entre indústrias, em que o franqueador comercializa a patente do produto, registro de marca e a tecnologia para fabricação.

O objetivo dessas empresas é oferecer uma experiência de consumo completa aos clientes, portanto, o sistema de franquias é o modelo perfeito para eles. A maior vantagem nesse tipo de franquia é representar marcas já reconhecidas e validadas no mercado, além de contar com o suporte de uma indústria forte.

No entanto, a competição com outros canais de venda pode comprometer os negócios, tendo em vista que o franqueado corre o risco de encontrar diferentes revendedores que comercializam o mesmo produto — fornecidos por outras fábricas.

As áreas que costumam apostar nesse modelo de franquias são:

  • vestuário;
  • móveis;
  • cosméticos;
  • perfumaria;
  • bebidas, entre outros.

O mercado de franquias continua crescendo no País, por isso, as franquias de baixo custo são um ótimo investimento porque fornecem modelos mais baratos. Contudo, antes de investir é preciso pesquisar sobre o modelo de negócio e a receptividade da marca com o público.

E antes de decidir, opte por franquias que se encaixam com o seu perfil de empreendedor. É fundamental que você se identifique com a ideia central do negócio pois, assim, vai conseguir entregar valor ao público e alcançar bons resultados. E o cliente sabe quando você acredita ou não no que vende.

Além disso, verifique o potencial da franquia para escalar. Um modelo que pode ser feito em sequência, com o mínimo de esforço possível, vai diminuir seu custo e aumentar progressivamente seu faturamento. Por isso que investir em uma franquia bem consolidada é o modelo perfeito!

Então, agora que você conhece melhor as franquias de baixo custo, que tal entrar em contato conosco para tornar-se um Franqueado Empresta?