O que considerar ao abrir uma franquia?

Abrir uma franquia tem sido muito atraente no mercado brasileiro, pois de 2017 a 2018 este modelo de negócio teve um crescimento de 7,1%, saltando de um faturamento de mais de 164 milhões para mais de 174 milhões de reais, segundo a Associação Brasileira de Franchising

Como as franquias são negócios com marcas e processos testados e consolidados, os empreendedores encontram neles um investimento menos arriscado, porém, adquirir uma franquia resulta em responsabilidades, deveres, obrigações e riscos. 

Para isso, o empreendedor precisa avaliar bem se tem perfil de franqueado, para depois pesquisar qual empresa é estabelecida no mercado e oferece o melhor suporte para seu franqueado. Além disso, se o investimento se encaixa em seu orçamento e assinar o contrato.

Calma, antes da escolha existem pontos a serem considerados para que você tenha a empresa de seus sonhos. Por isso, continue a leitura para conferir! 

Fale com os demais franqueados antes de abrir uma franquia 

Entre em contato com três ou quatro franqueados da mesma rede para saber até que ponto a franquia é vantajosa, pergunte quanto a: 

  • benefícios; 
  • desafios; 
  • oportunidades; 
  • pontos positivos e negativos; 
  • qualidade do suporte; 
  • lucratividade; 
  • competitividade da marca etc. 

Se informe o máximo que puder de forma realista e com dados para que depois você possa avaliar com mais calma e detalhadamente. 

Avalie sua afinidade com o negócio 

Um mercado que tem atraído muito interesse, dá vontade de fazer um investimento, porém é necessário que você se identifique com o negócio, para que assim você possa escolher uma franquia de determinado segmento, para a qual quer representar. 

O negócio deve ser vantajoso tanto para o franqueado como para a franqueadora. Antes de assinar o contrato é preciso discutir acordos, direitos e deveres para que tudo fique bem esclarecido para ambas as partes. O contrato com uma franquia dura no mínimo cinco anos, por isso esse relacionamento precisa ser transparente. 

Fique atento à escolha do ponto comercial 

Pesquise o local onde pretende instalar a franquia. A região é propícia para o negócio? O público que frequenta é direcionado para seu produto ou serviço? O valor do aluguel é condizente com o ponto? E tantos outros dados. 

Caso tenha dúvidas, a franqueadora poderá dar um respaldo na escolha do ponto de venda e da negociação com a imobiliária. Sua experiência saberá identificar problemas e soluções que, talvez sozinho, você teria mais dificuldade. 

Procure por informações da franquia 

Durante sua pesquisa, avalie características das franquias por você selecionadas, como: 

  • valor da taxa de franquia; 
  • investimento inicial em aquisição de ponto, instalação do padrão e layout da rede franqueadora; 
  • capital de giro necessário e por quanto tempo; 
  • retorno do investimento e o qual período previsto; 
  • pagamento de royalties e outras taxas. 

Saiba mais sobre o modelo e suporte do negócio 

A franquia é um negócio testado em uma empresa-piloto para reproduzir a forma que ela será oferecida aos franqueados. Isso permite minimizar os riscos, pois diversos erros já foram corrigidos, o produto ou serviço foi aceito pelo mercado e o posicionamento da marca se encontra definido. 

Há empreendedores que querem participar do processo desde o início para oferecer ao mercado inovações e obter vantagens com o franqueador. É preciso avaliar no começo se o modelo de negócio é uma tendência ou apenas um modismo, para que não se tenha prejuízos. 

Ao investir em um sistema de franquia você terá um modelo de negócio pronto e consolidado, direito para usar a marca no mercado e todo o know-how necessário para fazer sua empresa crescer, pois, ao assinar o contrato, nas taxas que serão pagas mensalmente estão incluídos treinamentos, inovação tecnológica e suporte operacional. Os franqueados querem franquias seguras em relação a um negócio próprio. 

Você deve avaliar com o franqueador como deverá ser o suporte antes, durante e depois do processo de implantação da franquia. Conheça, ainda, os softwares, plataformas e aplicativos que serão disponibilizados, visto que há um padrão em sua gestão. 

Entenda a Lei de Franquias e analise os documentos jurídicos 

No momento em que você começar a pesquisar sobre franquias, inclua em suas leituras a Lei específica para conhecer sobre seus direitos e deveres dentro dessa categoria de negócio. Avalie a Circular de Oferta de Franquia (COF) antes de fazer o investimento. Caso tenha dúvidas e queira se sentir mais seguro para tomar a decisão, procure um advogado ou especialista para ter as devidas orientações. 

A COF foi desenvolvida para oferecer ao candidato todas as informações possíveis sobre a franquia e proporcionar segurança para começar um novo empreendimento. 

Seja também um consumidor do produto ou serviço 

É indicado ser um consumidor de um produto ou serviço de uma franquia pela qual se interessou, mas não conhece. Ao comprar, avalie o local, o atendimento, o aspecto do produto e o que mais tiver de informação — cada detalhe é importante para sua decisão. 

Siga as regras da franquia 

Como já dito, a franquia tem um padrão de atuação e gestão que deve ser seguido por todas as unidades franqueadas. Caso tenha desejo de fazer algo diferente do que está proposto, é melhor não optar por esse tipo de empresa. 

Providencie a abertura da empresa 

Se você não tem uma empresa aberta, é preciso providenciar o registro na Junta Comercial. Verifique quais são os documentos solicitados para esse processo. Após sua entrega e análise das autoridades responsáveis, será emitido um Número de Identificação de Registro da Empresa (NIRE) que você usará para fazer a abertura do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) para contabilizar impostos e outras despesas. 

Agora, é o momento de acessar o site da Receita Federal e preencher todos os dados solicitados. Também, você deve comparecer a Secretaria da Fazenda do seu Estado para obter a Inscrição Estadual e na Secretaria de Finanças Municipal para retirar o Imposto sobre Serviço.

Para que seu ponto comercial esteja totalmente legalizado, você deverá dar entrada no Corpo de Bombeiros para que eles emitam o Alvará de Funcionamento. 

Abrir uma franquia é considerado um negócio seguro, porém requer muita análise e informações para que seja possível fazer um investimento tão alto, desde a pesquisa de mercado que tem afinidade com você até a consulta com advogado para entender a documentação exigida e a COF. 

Ficou interessado em investir em uma franquia? Quer ter um negócio que está em franco crescimento no mercado e já vem consolidado? Entre em contato com a Empresta agora mesmo para ter acesso a todas as informações sobre o assunto e tirar as suas dúvidas. 

Como fazer um plano de negócios para o crescimento da empresa?

Iniciar um novo negócio requer estudos e muita pesquisa, pois, caso contrário, você pode ser surpreendido por situações que não esperava. Por isso, é fundamental planejar as futuras ações da empresa e estruturar o seu crescimento.

Continue a leitura deste artigo e descubra o que é, qual a importância e como fazer um plano de negócios para direcionar os próximos passos do seu empreendimento.

O que é um plano de negócios?

O plano de negócios é um documento importante para todo empreendedor. Nele, você obtém uma espécie de manual, que proporciona uma visão mais clara e abrangente sobre o empreendimento, sua aceitação no mercado e viabilidade econômica.

Além disso, ele é importante para traçar uma rota que leve você à realização do negócio, também servindo como um guia para orientá-lo com informações como:

  • ramo de atuação;
  • necessidades do mercado;
  • perfil dos concorrentes;
  • pontos fortes e fracos do empreendimento, entre outros.

Quais são as vantagens do documento?

O plano de negócios tem uma série de benefícios e todos têm como principal objetivo a validação da ideia do empreendimento. Por meio das pesquisas, é possível saber se há procura pelo negócio no mercado, quanto de recurso será necessário para o investimento e o tempo de retorno.

Após o levantamento dos dados, torna-se possível entender se o retorno do negócio atenderá a suas expectativas. Além disso, é um documento primordial para empreendedores que buscam investidores ou um novo sócio.

Como fazer seu próprio plano?

Fazer um bom plano de negócios é a peça-chave de um planejamento de sucesso, visto que algumas ações já estarão previstas por meio da sua análise estratégica. Por isso, acompanhe as etapas fundamentais.

Sumário executivo

O momento de listar quem serão os sócios do negócio, qual será o enquadramento tributário e definir as cláusulas do contrato social. Aqui, levante quem serão os responsáveis pela empresa e as atribuições de cada um.

Análise de mercado

É fundamental conhecer o público-alvo interessado pela oferta. Essa é uma etapa essencial para ajustar o posicionamento no mercado, encontrar bons fornecedores e descobrir diferenciais competitivos. Algumas dicas para pesquisar o mercado são:

  • analisar dados e métricas;
  • fazer um estudo dos concorrentes;
  • pesquisar os hábitos e problemas dos potenciais clientes.

Existem algumas ferramentas que podem auxiliar a entender melhor as potencialidades do mercado e como explorar suas forças e oportunidades, como a análise SWOT.

Plano operacional

Esse é o momento de descobrir qual será sua capacidade produtiva e quantos clientes conseguirá atender por mês. Ao planejar o seu operacional, você perceberá quanto vai precisar de mão de obra para produzir o que precisa.

Crie fluxos operacionais em cada jornada do cliente e identifique como será sua mão de obra nesse processo. Além disso, é nessa etapa que você deverá listar os equipamentos, sistemas e materiais necessários para a operação.

Planejamento de marketing

O plano de marketing vai ajudar na criação de ações voltadas a atrair clientes. Portanto, o objetivo dele é definir quais serão os meios de divulgação, o local mais estratégico para o empreendimento e quais produtos e/ou serviços o negócio vai oferecer.

Estudo financeiro

Por meio de um plano financeiro, você terá informações básicas de investimento e estimativas de retorno. Assim, é essencial calcular valores como:

  • custos fixos e variáveis;
  • despesas mensais e anuais;
  • giro de estoque;
  • fluxo de caixa, entre outros.

Planejar suas ações antes de empreender é uma maneira de prevenir as frustrações e identificar possibilidades de sucesso. Por isso, o plano de negócios deve ser levado a sério. Ao aplicar cada etapa, você conseguirá perceber o negócio de forma abrangente e tomar decisões acertadas.

Gostou deste post? Agora que você já sabe como fazer um plano de negócios, continue a visita ao site para conhecer 5 tendências de negócios para apostar.

Dinheiro da rescisão: o que fazer com o acerto?

Foi mandado embora e não sabe o que fazer com a quantia recebida? Então, cuidado para não se empolgar e cair no conto do montante.

Por isso, o melhor a fazer é criar um plano a fim de usar o dinheiro da rescisão da melhor forma possível. Afinal, você não sabe quando terá receita de novo.

Para ajudar você nesse momento, preparamos um artigo que explica o que você vai receber, como deve criar seu plano financeiro e algumas ideias que podem ser feitas com seu dinheiro. Continue a leitura e descubra.

Os direitos de quem é demitido

O dinheiro que você recebe na rescisão varia de acordo com o tipo de dispensa. O menor valor é quando a demissão é por justa causa, pois você recebe apenas o saldo de salário e férias vencidas.

Por isso, a dispensa sem justa causa é a que mais enche os olhos do trabalhador, por proporcionar um montante atrativo. As verbas, são:

  • saldo de salário;
  • aviso prévio indenizado — quando a demissão é imediata;
  • férias vencidas;
  • férias proporcionais;
  • adicional de ⅓ sobre férias;
  • 13º salário proporcional;
  • saque do FGTS;
  • indenização de 40% sobre o FGTS;
  • seguro-desemprego.

A importância do planejamento financeiro

O planejamento financeiro é importante para se organizar e evitar gastar o dinheiro antes de formar sua reserva de emergência. Para isso, avalie seu orçamento e quanto gasta por mês — considerando as despesas necessárias e a quantia mínima mensal.

Além disso, descubra se existem custos que podem ser cortados durante esse período. Logo, os gastos supérfluos precisam ser analisados com muita atenção.

Também é importante separar uma reserva adicional para essa nova etapa, considerando que você precisará fazer cursos de atualização e deslocar-se aos processos seletivos sempre que necessário.

Ideias para usar o dinheiro da rescisão

Depois de separar sua reserva de emergência, o que fazer com o restante? Aquela viagem dos sonhos ou renovar o guarda-roupa?

Nenhum dos dois. O valor que sobra precisa ser usado estrategicamente.

Negocie descontos para pagar dívidas

Se você tem dívidas, deve quitá-las. Então, faça um diagnóstico de todas as suas pendências e chegue ao valor inicial do quanto você deve — o montante antes de elas atrasarem.

Depois disso, comece pelas dívidas mais fáceis e entre em contato com as empresas para negociar. Tem pessoas que chegam a conseguir 95% de desconto no Feirão Limpa Nome da Serasa.

Faça investimentos com liquidez imediata

Nesse momento, a prioridade é fazer investimentos que você tem fácil acesso para resgatá-los quando tiver necessidade. Além disso, é fundamental considerar as taxas e se têm rentabilidade vinculada ao CDI.

Alguns exemplos, são:

  • poupança;
  • fundo DI;
  • tesouro SELIC, entre outros;

Empreenda em um negócio rentável

Ter um negócio próprio é um ótimo investimento para conquistar sua independência financeira. Em 2017, o Brasil chegou a mais de 49 milhões de empreendedores, de acordo com o relatório Global Entrepreneurship Monitor, em parceria com o Sebrae.

Para entrar no mundo dos negócios, você precisa escolher uma área que tenha afinidade e se identifique. Em seguida, deve fazer um plano de negócios de modo a estudar o mercado que quer atuar e os atuais concorrentes. Dentro dessa análise, é fundamental investir em modelos rentáveis.

As pessoas temem arriscar num negócio novo, por medo de levar prejuízo. Por isso, as franquias são uma opção para quem prefere apostar nas marcas consolidadas e querem receber apoio a fim de dar os primeiros passos.

A demissão pode causar medo e insegurança sobre o futuro, mas, com um planejamento estruturado, você consegue fazer render o dinheiro da rescisão e ainda ter ideias interessantes para aplicar seu montante. Esperamos que, com nossas dicas, você consiga se organizar de modo a passar por esse momento ou, quem sabe, começar uma nova história.

Então, que tal compartilhar este artigo nas redes sociais e espalhar essas informações?

O que é franquia? Entenda agora mesmo o modelo de negócio!

Você sabe o que é franquia? É um modelo de negócio que é copiado e replicado para outro, com a autorização de quem detém o know how . Assim, é uma ótima oportunidade de negócio, tendo em vista que o franqueado recebe toda orientação e diretrizes e empreende num negócio já testado.

Para isso, o franqueador licencia sua marca mediante condição contratual para o seu franqueado, quem adquire a franquia. No entanto, para decidir entre empreender num negócio próprio ou por meio de franquias, é importante conhecer melhor o setor e, dessa maneira, aprofundar na pesquisa a fim de escolher uma franquia de sucesso

Por isso, descubra agora como funciona o modelo de franquias, perceba como esse mercado é promissor e conheça os tipos de franquias que você pode investir.

O que é franquia e como funciona?

As franquias são negócios independentes, mas que já foram validados no mercado. Logo, fornecem o formato e a tecnologia para outros empreendedores. Assim, o franqueador transfere todo o conhecimento e o modelo para o franqueado, além de ajudá-lo com outros pontos, tais como:

  • gestão do negócio;
  • processos operacionais;
  • boas práticas;
  • divulgação da empresa, entre outros.

Com isso, o que é mais interessante na franquia é a alta capacidade de expansão que ela oferece. Logo, mediante a formalização do contrato e a taxa de franquia, o franqueado expande a marca ao repetir os padrões da empresa.

O que é a taxa de franquia?

A taxa de franquia é um valor pago pelo franqueado para comprar os direitos de utilizar a estratégia do negócio e a marca. No entanto, algumas franquias também podem exigir a cobrança de outras taxas adicionais para outros custos, como propaganda e demais operações.

Esse modelo é promissor?

A franquia é um modelo que vem crescendo muito no Brasil, o que é ótimo para quem quer investir em algo seguro e promissor. Segundo os relatórios da ABF – Associação Brasileira de Franchising, nos últimos 4 anos, o mercado teve um aumento no faturamento de 35,67%. Em 2018, as franquias faturaram R$ 174 bilhões e foram mais de 153 mil novas unidades, o que gerou cerca de 1,29 milhão de empregos.

Contudo, apesar de o mercado apresentar números interessantes, é preciso pesquisar sobre o tipo de negócio antes de adquirir uma franquia.

O que deve ser considerado?

O que é válido saber antes de comprar uma franquia é que cada oportunidade deve ser analisada individualmente. Por isso, verifique qual o segmento e tipo de franquia que você pretende adquirir. Além disso, pesquise sobre o mercado de franquias, as marcas que você se identifica e decida por aquela que gosta de trabalhar.

É importante analisar também:

  • qual valor do investimento inicial;
  • demais taxas operacionais;
  • custos fixos e variáveis;
  • manutenção da franquia;
  • estimativa de lucro;
  • percentual de royalties — quando houver.

Além disso, confirme se a franqueadora cumpre com as promessas feitas aos franqueados. Para isso, converse com os empreendedores da rede de modo a entender melhor se as expectativas estão sendo correspondidas.

Como adquirir uma franquia?

Após decidir qual franquia investir seu capital, entre em contato com a franqueadora que, em geral, disponibiliza esse acesso no próprio site. Pode ser que outras informações sejam solicitadas, a fim de validar sua aptidão e condição financeira para conduzir o negócio.

Depois que seu pedido de abertura for concedido, continue o processo para observar outras questões, tais como:

  • formalização do contrato;
  • local para ponto comercial;
  • instalação dos equipamentos;
  • treinamento da equipe;
  • inauguração da loja, entre outros.

Quais os tipos de franquia?

diversos tipos de franquias, que variam de acordo com o modelo de negócio e a área de atuação. Por isso, o que é fundamental saber é que a franquia precisa corresponder ao que você busca e pode oferecer no mercado.

Franquia individual

Esse modelo exige que cada unidade tenha um contrato específico. Além disso, os franqueados não podem dividir o espaço comercial com outras marcas, nem permitir que tenha outra operação de negócio no mesmo ponto. Alguns exemplos:

  • cafeterias;
  • livrarias;
  • restaurantes fast-food;
  • lojas de calçados, entre outros.

Franquia de conversão

Nesse modelo, o empreendedor já tem um negócio, mas deseja transformá-lo em uma franquia. Então, oferece suporte para conduzir o franqueado a manter os padrões cultivados pela marca.

Franquia combinada

As franquias combinadas podem operar marcas diferentes no mesmo ponto comercial, desde que os franqueadores autorizem. No entanto, os negócios devem ser complementares e nunca concorrentes, como as lojas de conveniência nos postos de combustível.

Franquia industrial

O franqueador, que tem a patente do produto, o registro de marca e o conhecimento sobre a produção, transfere o processo de desenvolvimento para o franqueado produzir e comercializar. Alguns exemplos de fabricação são:

  • alimentação;
  • móveis;
  • calçados;
  • acessórios;
  • vestuários, entre outros.

Mini franquia

Nesse modelo, pequenas unidades são instaladas dentro de outras. Por serem muito pequenas, também precisam do aporte de uma loja maior para reabastecimento. Uma lanchonete que funciona dentro de uma livraria, por exemplo, representa bem o que é uma mini franquia.

Franquia shop in shop

Nas franquias shop in shop, o empreendedor instala uma espécie de quiosque dentro da sua própria loja, com o objetivo de vender produtos complementares ao seu negócio. Uma farmácia dentro de um supermercado é um exemplo desse modelo.

Franquia comercial

Quando a produção dos produtos é exclusivo do franqueador, no entanto, é o franqueado que distribui, e assim caracteriza-se uma franquia comercial. Esse modelo acontece muito nas redes de cosméticos e vestuários.

Franquia de serviço

Semelhante à comercial, a diferença desse modelo é que o franqueador oferece a expertise do negócio e o uso da marca. Para tal, franquias financeiras e redes de hotéis se aplicam nesse modelo.

Agora você sabe o que é franquia e viu que é ótima vantagem para empreendedores iniciantes, oferecendo mais segurança e reconhecimento do mercado. Além disso, o que a torna ainda mais benéfica é o apoio e o suporte operacional que as franqueadoras oferecem aos franqueados. Assim, você tem assistência para conduzir o negócio e recebe a orientação necessária de modo a alcançar resultados satisfatórios.

Agora que você já conhece como funciona o modelo e quais suas características, aprofunde no assunto ao descobrir outras 6 vantagens de uma franquia! Entenda os motivos para investir em uma.

Como organizar sua vida financeira e ter uma reserva?

Ter atitude é imprescindível para você aprender como organizar sua vida financeira, principalmente quando se encontrar atolado em dívidas. Conseguir equilibrar a situação geralmente é considerado por nós algo inalcançável, mas que é possível. 

Diversos especialistas ensinam passos para sair das dívidas e voltar a ter uma vida financeira saudável, e foi pensando nisso que selecionamos algumas dicas importantes para que você possa seguir e começar a realizar seus sonhos de consumo. 

Uma coisa é certa: você precisará modificar hábitos ruins que estão levando seu dinheiro para o ralo. Não é uma tarefa fácil, mas, com força de vontade, sobrará dinheiro até para fazer investimentos. Boa leitura!

Controle os gastos 

Primeiramente, você necessita de uma planilha de controle de gastos, pode ser no Excel, um app no celular, enfim, o importante é saber com o que o seu dinheiro está sendo gasto. Tendo uma visão clara disso, você conseguirá definir o que são gastos bons (financiamento de um apartamento, por exemplo) e ruins (como as dívidas com cartão de crédito). 

Anote todas as suas despesas, desde um simples café na padaria até a conta de luz. Só assim saberá o que poderá ser cortado nos meses seguintes. 

Tome cuidados com os gastos supérfluos 

Os gastos supérfluos são aqueles que você faz sem perceber. Lembra-se daquele café na padaria? Assinatura de TV, sites, podcasts e demais pacotes que você nem usa por falta de tempo se enquadram nessa categoria. Esses valores, quando somados, formam um valor expressivo que pode ser eliminado. 

Quite suas dívidas 

As dívidas se acumularam e você está inadimplente? Faça um levantamento de todas elas, inclusive com as taxas de juros que estão sendo cobradas. Comece o pagamento pelas que têm índices mais altos e tente negociar os valores.

É preciso saber que, embora pareça difícil, priorizar as que devem ser pagas primeiro é a melhor chance de sair desse quadro.

Diminua o número de cartões de créditos 

Ter muitos cartões de crédito é endividamento na certa devido à complexidade do controle financeiro. Sem você perceber poderá fazer compras em vários cartões gastando além da conta, sem falar em pagar as tarifas de crédito rotativo e anuidade. Desta forma, prefira um único cartão.

Estude sobre educação financeira 

Buscar conhecimento quanto a educação financeira é essencial durante esse processo para que você consiga se organizar da maneira correta. Existem muitas informações sobre o assunto na internet, mas se preferir livros, há três bem cotados no mercado como: 

Mantenha a disciplina 

Não sabote o seu plano e mantenha a disciplina gastando o menos possível. Tome cuidado para não sair de suas metas de quitar suas dívidas e lembre-se de que esse é o melhor caminho para o sucesso financeiro.

Tenha metas de investimento 

É sempre importante ter uma reserva financeira, pois imprevistos acontecem.  

Ao cortar os gastos supérfluos, sobrará dinheiro que poderá ser usado para investimentos, como uma poupança ou outro tipo de aplicação. Acompanhe o rendimento de seus ativos semanalmente por meio do extrato bancário. Isso incentivará você a poupar mais e gastar menos, mantendo o equilíbrio das suas finanças. 

Entendeu que não é impossível aprender como organizar sua vida financeira e, ainda, conseguir uma reserva para investir e ter mais tranquilidade? Conhecimento total da sua situação e mudanças de hábitos farão toda a diferença para controlar seu dinheiro. 

Saiba mais sobre maneiras de organizar a vida financeira nos seguindo pelo TwitterFacebookInstagram e YouTube. 

Tendências de negócios: 5 opções para apostar daqui pra frente

Está pensando em trilhar os caminhos do empreendedorismo, mas ainda não sabe qual rumo seguir? Antes de tomar sua decisão, conheça 5 tendências de negócios que têm trazido boas perspectivas dentro do mercado. 

São análises mercadológicas pautadas no desenvolvimento do mercado, hábitos dos consumidores e nos avanços na área de tecnologia. Ao identificar seu nicho, avalie a concorrência para criar diferenciais e se destacar perante os outros.

Inovação é a palavra-chave, porém, não quer dizer criar negócios mirabolantes. Você pode inovar, e também melhorar um produto ou serviço que já está no mercado a partir do seu nicho. Veja a seguir qual negócio combina mais com seu perfil empreendedor. 

1. E-commerce 

O comércio eletrônico tem gerado muito lucro devido ao custo, estoque, manutenção e acesso facilitado para seu público. Mesmo que tenha uma loja física, a virtual atinge mais clientes, no Brasil e no mundo. Datas comemorativas têm proporcionado ótimas vendas, principalmente na Black Friday. 

Segundo dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), o e-commerce crescerá 16% em 2019, atingindo um aumento nas vendas de R$ 79,9 bilhões. 

2. Economia colaborativa 

A economia colaborativa está relacionada ao compartilhamento de um serviço ou produto, como faz a Airbnb, a Uber, 99 etc. Não precisa ser um mercado grande para você entrar: é possível reduzir o nicho e atender a um público bem-específico. 

Outro exemplo dessa tendência são os coworking, em que profissionais dividem o mesmo espaço e compartilham as contas. Assim, os custos de cada um ficam menores do que se tivessem que alugar uma sala somente para seu escritório. 

3. Cuidados com animais 

O mercado de Pet tem sido bastante interessante. Conforme pesquisa da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), seu crescimento em 2017 foi de 7,9% em relação ao ano anterior, somando R$ 20,3 bilhões de vendas.

Produtos e serviços diversos podem ser oferecidos, como o banho e tosa, spa, hotel e creche para animais, cuidador, produtos personalizados, entre outros.

4. Educação virtual 

Foi constatado que até 2023 haverá mais alunos virtuais que presenciais. Esse dado é referente à pesquisa de “Um ano do Decreto Ead – O impacto da educação à distância na expansão do ensino superior brasileiro”, a qual foi realizada pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes) em 2018. 

O ensino não requer mais a presença física do aluno. Dessa maneira, se você tiver alguma especialização ou conhecimento a mais, poderá transformar em negócio escalável ao ensinar outras pessoas.

5.Serviço financeiro

O segmento de serviços financeiros engloba produtos e serviços oferecidos pelo mercado financeiro tanto físico quanto online como venda de seguros, empréstimos, abertura de contas financiamentos dentre outros.

Neste ambiente, tem se destacado as fintechs que em 2018 ultrapassou o volume de 400 startup financeiras, representando 23% a mais que o ano anterior, conforme divulgou o Radar FintechLab.

Após escolher em qual mercado deseja investir, outra decisão precisa ser tomada. Será um negócio próprio ou franquia?

6. Franquia 

Ao contrário de muitos setores, o mercado de franquia continuou crescendo mesmo diante da crise no país. A Associação Brasileira de Franchising (ABF) divulgou que, em 2018, o setor faturou R$ 174,8 bilhões, sendo 7,1% a mais que em 2017. 

Caso o valor do seu investimento seja pequeno, você pode optar pelas microfranquias que tiveram uma alta de 8%, passando de 545 modelos em 2017 para 589 em 2018. 

Essas são 5 entre tantas outras tendências de negócios que esperam por você no futuro. Não se esqueça de que é necessário avaliar desenvolvimento do mercado, hábitos e consumos dos consumidores e avanços na área de tecnologia para obter sucesso, pois o mercado tem sido pautado encima desse tripé. 

Quer investir com mais segurança? Então leia este artigo sobre as vantagens de uma franquia

5 opções de livros para quem quer abrir uma empresa

Conhecimento é a base fundamental para qualquer profissão, inclusive para quem quer ter um negócio bem-sucedido. Em uma era em que o mercado está em constante mudança, ser um eterno estudante é ganhar vantagens sobre os concorrentes. Por isso, ler um livro sobre como abrir uma empresa é essencial.

Ter boas leituras é ampliar os horizontes do seu ponto de vista e sair do senso comum, principalmente nos campos que despertam mais o seu interesse. Nas áreas de negócio e empreendedorismo, há histórias de pessoas que obtiveram sucesso e viraram referências.

Longe de ser uma receita de bolo, os livros sobre o tema trazem insights e ensinamentos para reduzir os riscos de empreender. Continue a leitura e saiba mais sobre os principais materiais sobre o tema.

1. Sonho Grande 

O livro Sonho Grande, da autora Cristiane Corrêa, descreve a fórmula de gestão que Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira, proprietários da Budweiser, Burger King e Heinz, respectivamente, usaram para adquirir grandes empresas americanas. 

Longe dos holofotes, os três sócios têm uma vida empresarial marcada pelo alto desempenho — regra que é seguida pelos funcionários —, um planejamento visando a simplicidade e redução de custos e a valorização por meritocracia de seus colaboradores.

Sonho Grande explana a trajetória dos três sócios, partindo da década de 70 até os dias atuais, e como se tornaram os mais ricos do Brasil e do mundo.

2. The Everything Store

The Everything Store, contada pelo jornalista Brad Stone, relata a história da Amazon por meio de seu fundador Jeff Bezos. Além de uma loja com títulos ilimitados de livros, Bezos queria mais: transformar a Amazon em uma loja que vendesse tudo. 

Visionário, com sua família ele transformou seu negócio na loja mais conhecida da internet, mudando a forma de consumir livros e outras utilidades.

3. O empreendedor Viável – Uma mentoria para empresas na era da cultura startup

O jornalista Carlos Matos e o publicitário André Telles contam sobre as histórias de sucesso e fracasso de algumas empresas. Os escritores abordam as variáveis que levam uma startup ao sucesso. Começando pela escolha da equipe até a segurança na apresentação aos investidores. Inclusive, com ajustes de mentoria (tutoria), pivotagem (girar em outra direção testando novas possibilidades, mas sem sair de sua base) e mudanças estruturais garantindo um futuro de oportunidades.

4. O lado difícil das situações difíceis

Empreendedor respeitado do Vale do Silício, Ben Horowitz escreveu o livro The hard thing about hard things (O lado difícil das situações difíceis), relatando como ele fundou, dirigiu, vendeu, comprou, geriu e investiu em diversas companhias de tecnologia.

Sua história traz conselhos e sabedorias práticas e didáticas para que os empreendedores aprendam a solucionar os problemas mais difíceis o que as faculdades não ensinam, principalmente na área de administração.

5. Vendas em tempos de crise

Ter uma equipe motivada e bem treinada faz a diferença em um momento de crise econômica, mudança das necessidades dos consumidores entre outros. Assim, o autor Tom Hopkins, no livro Vendas em tempos de crise, demonstra as formas que a empresa poderá se destacar perante a concorrência, sempre obtendo lucros.

Uma equipe de vendas sintonizada saberá atravessar as adversidades, independentemente do tipo de negócio. Tom compartilha um plano usado por ele para sobreviver a esses momentos, alcançando a prosperidade.

Esperamos que essas 5 dicas de livros sobre empreendedorismo e como abrir uma empresa ajudem você na abertura e na consolidação de seu negócio. Afinal, adquirir conhecimento é um passo relevante para obter sucesso como empreendedor.

Gostou deste conteúdo? Então compartilhe nas suas redes sociais e ajude outras pessoas!

O que fazer para ter a tão sonhada independência financeira?

Ter um fluxo de renda constante é o sonho de muitos brasileiros, o que faz com que estejam sempre em busca de um cargo com salário alto para pagar as contas e realizar todas as suas vontades.

No entanto, muitos não atentam para uma oportunidade: uma ótima alternativa para conquistar a sua independência financeira é tendo um negócio próprio. Por meio dele, você consegue gerar renda capaz de manter o seu padrão de vida e conquistar a sua tão sonhada liberdade.

Porém sabemos que, às vezes, o medo de empreender pode paralisar muitas pessoas com grande potencial. Pensando nisso, separamos algumas dicas para você iniciar um negócio próprio e lucrativo e, finalmente, conseguir se libertar da falta de dinheiro.

Defina um objetivo principal

O primeiro passo é ter clareza sobre o que procura e onde quer chegar no futuro. Antes de pensar em fazer qualquer planejamento, você precisa ter certeza sobre isso para traçar objetivos atingíveis, que funcionarão como um guia.

Além disso, para centralizar seus esforços, você deve escolher uma área que tenha ligação direta com o seu perfil, além de acreditar na importância dela para o mercado. O negócio deve existir por uma razão que o torna único. Logo, procure por áreas com que você tenha afinidade, mas também em que existam pessoas interessadas em buscar soluções para seus problemas.

Invista em um negócio rentável

A rentabilidade é a capacidade que um negócio tem de proporcionar retorno acima das expectativas. Medir o potencial do negócio é essencial para ter segurança ao fazer investimentos que proporcionem independência financeira.

Algumas características que você deve observar em um negócio, são:

  • média de crescimento no mercado;
  • estimativa de faturamento;
  • valor total dos custos operacionais;
  • lucro esperado;
  • prazo de retorno sobre o investimento, entre outros.

Crie um programa de receita recorrente

Negócios com pagamentos recorrentes tendem a manter a sua estabilidade no mercado, uma vez que há geração de renda contínua. Com isso, o empreendimento cresce de forma estruturada, sem que o aumento intenso das vendas seja necessário.

A escalabilidade de um negócio também facilita na expansão, porque a receita cresce sem que os custos aumentem proporcionalmente. Além disso, associar-se a modelos replicáveis possibilita reproduzir o negócio, já que podem ser facilmente adaptados — como as franquias, que já contam com modelos testados.

Elabore um planejamento financeiro

Entender a forma como você lida com as suas finanças é fundamental para alcançar o seu objetivo. Por isso, observe se você tem o costume de gastar mais do que ganha, se tem muitas dívidas ou se já conseguiu fazer reservas de emergência, por exemplo.

Com essas informações, liste os seus custos e despesas para chegar à média de remuneração ideal. Além disso, também é importante criar uma estimativa anual das receitas e despesas, então, anote todas as informações para ter equilíbrio financeiro e perceber meios de poupar dinheiro, ao avaliar a real necessidade de alguns gastos.

Fidelize os clientes

A retenção de clientes é uma etapa importante para qualquer negócio e precisa ser considerada um dos pilares para alcançar a independência financeira. Clientes satisfeitos aumentam o valor investido por meio do relacionamento no longo prazo.

Além disso, eles proporcionam um custo menor com estratégias de divulgação, uma vez que indicam o serviço e realizam propagandas gratuitas.

Para isso, tenha em mente que o negócio precisa superar as expectativas de quem o contratou. Logo, proporcione uma boa experiência em todas as etapas do atendimento e realize acompanhamento constante ao reunir feedbacks e medir índices de satisfação.

Como você pôde perceber, ter um negócio próprio é uma excelente alternativa para conquistar a independência financeira. Por isso, siga nossas dicas para encontrar um modelo que faça sentido e identificar uma opção que proporcione liberdade. Assim, você não vai mais se preocupar com a renda do próximo mês.

Quer continuar por dentro de assuntos como este? Então siga os nossos perfis no Facebook, no LinkedIn e no YouTube!

Como posso aumentar a minha renda? 5 opções diferentes!

Buscar novas fontes de renda tem sido o objetivo de muitos empreendedores — seja para realizar investimentos, resolver pendências ou, até mesmo, conquistar a independência financeira. Logo, elas permitem que você alcance suas metas profissionais de forma rápida e segura.

Existem várias oportunidades de negócios que podem ajudá-lo a aumentar a renda. Por isso, separamos cinco dicas para você utilizar seus próprios conhecimentos e aptidões em troca de mais alguns dígitos na sua conta bancária. Continue a leitura para descobrir!

1. Dê aulas particulares

Já pensou em dar aulas sobre os assuntos que você domina? Esses conteúdos podem ser relacionados às matérias escolares e acadêmicas, no entanto, existem outras temáticas, como:

  • canto;
  • instrumentos musicais;
  • artesanato;
  • gastronomia;
  • línguas estrangeiras, entre outros.

Além disso, não há necessidade de ter um diploma específico para ser um professor particular. Basta conhecimento e prática no assunto.

2. Faça serviços como freelancer

O trabalho freelancer nada mais é do que o acordo para a realização de uma tarefa específica, que pode ser recorrente, ou não. Com isso, não existe uma obrigatoriedade legal entre as partes, o que oferece maior flexibilidade para aceitar as ofertas.

Há várias plataformas online que oferecem serviços freelancer para aumentar a renda. Além disso, as atividades são múltiplas, o que permite uma oferta ampla nas mais diversas áreas.

Alguns exemplos:

  • tradução de textos;
  • criação de currículos;
  • ilustrações e desenhos variados;
  • planilhas financeiras;
  • planos de negócios, entre outros.

3. Forneça assessoria

Dentro da sua área de atuação, existem pessoas que precisam de apoio e assistência para resolver demandas típicas. Já pensou em ajudá-las e ainda aumentar a sua renda com isso?

Para oferecer assessoria, você precisa conhecer bem um determinado assunto, de modo a prestar auxílio e executar serviços operacionais, além de propor possíveis soluções. Então, é preciso entender onde estão essas pessoas interessadas e criar uma abordagem, com o intuito de demonstrar que você sabe como ajudá-las.

4. Crie uma loja online

O aumento das compras pela internet tem favorecido o surgimento das lojas online. Por meio delas, é possível vender produtos variados, como:

  • roupas;
  • perfumes;
  • cosméticos;
  • suplementos;
  • comidas;
  • móveis, entre outros.

Além disso, as lojas online dispensam a necessidade de ter um espaço físico — o que diminui o custo, quando comparado a uma loja física. No entanto, é necessário ter um website que permita a exposição dos produtos, usar bem as redes sociais, além de contar com um gateway de pagamento e planejar opções de entrega.

5. Monte uma franquia

As franquias são oportunidades de negócios que oferecem um crescimento mais seguro, tendo em vista que já possuem um modelo pronto. Assim, você investe em um mercado já conhecido e validado. Além disso, o franqueado recebe treinamento, suporte e apoio — que são essenciais para o empreendedor que está começando.

Para iniciar, você tem de escolher a franquia que se encaixa no seu perfil, já que trabalhará grande parte do seu dia nela e precisa estar envolvido para que dê certo. Logo, o objetivo do negócio deve estar alinhado às suas expectativas profissionais.

Em seguida, pesquise os modelos existentes e observe como é a receptividade da marca no mercado. Assim, você vai conseguir identificar se consegue corresponder à proposta da franquia.

Por meio das áreas e habilidades que você domina, é possível encontrar diversas possibilidades para aumentar a renda. Logo, escolha um tipo de negócio de acordo com o seu perfil e faça pesquisas sobre a demanda no mercado para essas necessidades. Com isso, você estará mais seguro para investir em oportunidades que demonstrem rentabilidade e façam sentido para você.

Percebeu a importância de estar atualizado sobre novas oportunidades? Então, compartilhe este conteúdo nas redes sociais e ajude outras pessoas!

Planejamento financeiro para investir: aprenda o passo a passo

Fazer um planejamento financeiro para começar a investir é fundamental. Esse é um processo de organização das finanças pelo qual todo empreendedor, e investidor, precisa passar. Com ele, você define metas, estabelece objetivos e garante que seu dinheiro sempre seja multiplicado.

O planejamento financeiro é tão importante que podemos dizer que, sem ele, é praticamente impossível ter sucesso (a menos que você tenha muita sorte). Então, é necessário conhecer esse processo e usá-lo para gerir o seu patrimônio.

Queremos ajudar nessa tarefa, por isso criamos um passo a passo para que você consiga fazer o seu planejamento financeiro. Confira!

Defina seus objetivos

O primeiro passo para ter sucesso em qualquer coisa, seja para abrir um negócio, investir em títulos ou poupar dinheiro, é a definição de objetivos. Não adianta fazer mil e uma coisas se você não sabe onde quer chegar.

Imagine, por exemplo, que a sua família quer viajar. Qual é a primeira coisa que vocês fazem? Provavelmente, definem o destino, não é mesmo? A lógica é a mesma.

Então, pare um pouco e pense:

  • Quais são seus objetivos?
  • Por que você quer investir?
  • Como você vê o seu patrimônio daqui a cinco anos? E daqui a dez anos?
  • O que você precisa alcançar para sentir que a sua vida foi um sucesso?

Anote a resposta dessas perguntas. Não tente cortar nenhuma resposta por enquanto. Registre tudo o que vier a sua mente!

Determine as suas prioridades

Depois de fazer o levantamento de todos os seus objetivos, é o momento de começar a fazer a separação e a definição de qual precisa ser alcançado primeiro. Para isso, é necessário determinar as prioridades.

Tenha foco, inicialmente, nas questões mais lógicas. Por exemplo: se você tem o objetivo de abrir um negócio, mas também tem o objetivo de comprar uma casa, qual dos dois deveria receber mais atenção em um primeiro momento? O correto, nessa situação, seria focar no negócio, já que ele ajudará a conseguir dinheiro para comprar a casa.

Faça esse mesmo processo de separação com todos os objetivos que você anotou, até que não sobre mais nenhum. Essa organização será sua grande guia no planejamento financeiro, então, guarde-a com cuidado.

Negocie as suas dívidas

Agora, você já sabe onde quer chegar e já tem um propósito, correto? Então, é o momento de lidar com um dos principais obstáculos que podem atrapalhar o seu sucesso e impedir o seu crescimento pessoal e profissional. Estamos falando das dívidas.

Para conseguir juntar dinheiro, primeiro, é necessário que você estanque a sangria que está acabando com o seu salário todos os meses. Logo, entre em contato com os seus credores e tente renegociar as suas dívidas.

Busque por opções de pagamento com desconto, redução de juros ou outras alternativas para quitar o restante do valor devido.

Mesmo fazendo isso, é importante entender uma coisa: nem todos os credores aceitarão negociar. Em alguns casos, o que você poderá fazer é continuar pagando a dívida. Se isso acontecer, não precisa se estressar. É possível ter uma ou duas dívidas e, ainda assim, manter um planejamento para investir em áreas promissoras.

Entenda o fluxo do seu dinheiro

Para garantir o sucesso do planejamento financeiro, você precisa saber o que acontece com o seu dinheiro. Para começar, entenda qual é o seu recebimento mensal. Caso tenha a carteira assinada, será o seu salário.

No caso de trabalhadores autônomos, a entrada de dinheiro tende a variar. Sendo assim, é melhor fazer uma média dos seus últimos 12 recebimentos mensais. Isso dará uma ideia do que você pode esperar ao longo do ano.

Feito isso, é o momento de levantar as suas despesas. Liste, inicialmente, todos os grandes gastos fixos, como aluguel, transporte, supermercado, escola dos filhos, manutenção do carro, condomínio etc.

Depois, monte uma tabela com os gastos menores. Essa é uma das etapas mais importantes para ter sucesso no planejamento financeiro, então dê uma atenção especial para ela. Anote todas as despesas variáveis, como a alimentação na rua, o lazer, o cafezinho da padaria, dentre outros.

Mesmo que o valor seja baixo, anote. No final do mês, esses pequenos gastos tendem a gerar uma despesa significativa, mas que não percebemos até fazer o levantamento.

Estabeleça metas

Agora que você sabe o destino do seu dinheiro, chegou o momento de estabelecer metas. Elas são como pequenos passos para que você alcance o seu objetivo. Assim, esse processo orienta as suas ações.

Isso é importante porque os objetivos normalmente demoram a ser alcançados. No meio do caminho, podemos ficar desmotivados e sem saber o que fazer. Por isso, existem as metas.

Olha como elas funcionam: imagine que o seu objetivo é alcançar R$ 100 mil em dois anos. Para chegar lá, você precisa poupar mensalmente. Mas quanto?

Se for para economizar o mesmo valor todos os meses, é um pouco menos de R$ 4,2 mil. Tendo isso em mente, você estabelece a meta: “vou poupar R$ 4,2 mil todos os meses nos próximos dois anos, até o mês X do ano Y”.

Entendeu como funciona? Excelente! Agora é a sua vez. Pegue cada um dos seus objetivos e vá criando metas para cumprir mensalmente até atingi-los.

Comece a investir

Após estabelecer as metas, você precisa começar a aplicar o seu dinheiro. Isso vai permitir que os seus objetivos sejam alcançados mais cedo, já que seu patrimônio começa a crescer mês após mês.

Os investimentos são tão interessantes, que você até pode usá-los para fazer outros investimentos. Parece estranho, mas, na verdade, é uma estratégia muito utilizada. Se você quer adquirir uma franquia, por exemplo, que tal investir em títulos públicos para juntar o dinheiro?

Depois de alcançar o montante necessário, você resgata o capital aplicado e o transfere para o investimento que você queria desde o início. Dessa forma, seu dinheiro é mais bem aproveitado e não existe a necessidade de esperar tanto tempo para iniciar o seu próprio negócio.

Sabemos que esses passos exigem muito esforço e dedicação. Entretanto, se seguir cada um deles, o seu planejamento financeiro para começar a investir vai deixar de ser uma ideia para ser algo real em sua vida. Com isso, o futuro das suas finanças estará garantido.

Você gostou deste conteúdo? Então, compartilhe-o em suas redes sociais! Quem sabe você não ajuda aquele seu amigo que também quer investir, mas não sabe por onde começar?